https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O anfitrião das sombras

 

Porém maior receio me assaltava,
Na reticência auspício triste vendo,
Que na expressão talvez não se encerrava.
— “A esta hórrida estância, descendendo
Do limbo, pode vir quem só padece,
A esperança”, — inquiri — “toda perdendo?”


A Divina Comédia - Inferno - Canto IX



Ó [ser]incréu amaldiçoado que ousa chamar o pródigo d'enganador!
Solerte vigília, não deixaremos que teu olhar rápido possa penetrar
nas profundidades dos corações consagrando emergente vingança.
Tua raiva é a ira violenta, sangrenta nuvem d'ódio cobre-te a testa,
mas a tua emoção nunca romperá o segredo jamais compartilhado.

Podes debalde, atirar para nós tantos quantos [teus]olhares irritados,
vives num submundo temido, [és] infausto ser jazido na noit'eterna.
Fomos todos nós ameaçados pelos rugidos e grunhidos dos porcos,
na rede de mentiras definhando ao som terrível da matilha latindo.

Fomos forjados e amadurecidos nas entranhas d'um Etna fornido
de rocha derretida arrotando às trêmulas nuvens chamas sulfúricas,
sublimando o que expeles da boca fétida, forno da palavra maldita.

Que vagues [vil] na floresta da noite sagrada pálida de luzes cintilantes
quedes envolto n'espessa neblina dos vapores do mármore fundido.
Ó anfitrião das sombras! Restará para ti o Silêncio da Paz tão hiante.

 
Autor
shen.noshsaum
 
Texto
Data
Leituras
380
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
s.i.s
Publicado: 13/12/2015 23:58  Atualizado: 13/12/2015 23:58
Muito Participativo
Usuário desde: 01/12/2015
Localidade: São Paulo
Mensagens: 85
 Re: O anfitrião das sombras
Címbalos
cítaras
harpas
violoncelos
violinos
aspiram
nota soltas
no
ar...
O som da profecia
o tom da verdade
que não
se bebe
não
se come
porem
pela vida
urge
sentir
nelas
as ações.




Beijos Garoto, você
é um desafio.