https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Folha Que Me Foge Das Mãos

 

Foge-me das mãos
A folha que do chão levantei
E que agora toma outra direcção
Diferente da que eu imaginei.

É levada para longe de onde cresceu
Abraçada na corrente do vento
Longe de um sorriso meu,
E perto de um sentimento que se perdeu.

E que não volta mais,
E que não quer mais,
O seu lugar já esqueceu,
Independentemente do que nele viveu.

Folha que já não tenho nas mãos
E que não sei onde o vento a vai deixar
Apenas tenho a certeza que a vai largar
Num lugar diferente daquele em que a fui encontrar.


Escrito por: João Filipe Ferreira (Direitos Reservados)

Textos Registados no IGAC com processo nº 2067/2008
______________________________________________________________________
O meu blog: www.lastgoodbadidea.blogspot.com

 
Autor
João Filipe Ferreira
 
Texto
Data
Leituras
811
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 25/12/2006 21:15  Atualizado: 25/12/2006 21:15
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: Folha Que Me Foge Das Mãos
Seja em qualquer lugar...
Essa folha lhe encontrará, voará com o vento e a ti voltará.

Beijinhos.. esta lindo..

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/12/2006 10:50  Atualizado: 26/12/2006 10:50
 Re: Folha Que Me Foge Das Mãos p/ joãoferreira
Ocorre-me numa impressão forte uma densa e linda metáfora para a saudade... algo que se passou e não volta mais... coisas que marcam o poeta e este vincula para sempre na sua escrita.
Continue assim grande poeta!
Saudações, godi.

Enviado por Tópico
Valdevinoxis
Publicado: 26/12/2006 19:55  Atualizado: 26/12/2006 19:55
Colaborador
Usuário desde: 27/10/2006
Localidade: Aguiar, Viana do Alentejo
Mensagens: 1997
 Re: Folha Que Me Foge Das Mãos
Metaforicamente excelente. Construção e evolução sempre com uma sensação de movimento muito bem conseguida. O sentido implicito pede para sair mas é muito bem retido em suspense permanente. Era fácil caires em banalismos mas não o fizeste.
Um texto deveras bem feito.

Valdevinoxis