https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Curva-te temente, obstinado incréu

 
“ Para expressar-lhe o aspecto verdadeiro,
Eu digo que à charneca então chegamos,
De plantas nua em seu espaço inteiro.
Da dor a selva a cerca dos seus ramos,
Como o fosso a torneia sanguinoso:
Ali, rente co’a borda, os pés firmamos."

A Divina Comédia – Inferno – Canto XIV


.


Tu, ó desavisado, traste que ora em vão
caminha c’os passos insertos n’ escuridão
quando vibrante voz, chamado d’arraiz;
ela ressoou potente nos arcos celestiais
- tão brilhante que era então a tua via!
Toda abóboda agora te será descendente,
meio-arco! Parco é teu tempo d’ eufemia
- não te quedes dissimulado, ora-decadente,
desertor da fé, esta hora soturna, mandrião.
Embora ledo, nutre o sonho, entresilhado,
quando é chamado teu nome obcecado,
alvíssaras de ainda salvar-te negro avejão!

Tempos passados e futuros são-te indistintos,
não t’ escondas tentando em barras, debalde,
prorrogar por mais um dia que sejam famintos,
poupando minutos d’ agonia arrostas o alcalde

Vislumbres de chofre a realidade, nua-crua,
que se apresenta diante de ti nesse relento,
definhando sob essa mó de toda miséria tua,
és poeira apenas partícula divisa ao vento,
confundindo-se com o vermelho do por do sol.
Curva-te temente, por fim rendido, obstinado incréu
sem ter onde, agarra-te, em ânsias ate ao arrebol,
és sombra, tremula apenas como flâmula ao léu


 
Autor
shen.noshsaum
 
Texto
Data
Leituras
407
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/10/2015 17:03  Atualizado: 19/10/2015 17:03
 Re: Curva-te temente, obstinado incréu
há cabeças que jamais se curvam a dogmas, a brilhos falsos, a imagens pintadas à mão. não se curvam a nada nem a ninguém. parabéns pelo poema

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/10/2015 19:23  Atualizado: 19/10/2015 19:23
 Re: Curva-te temente, obstinado incréu
Reconhecer a falha de verdades próprias perante si mesmo é um grau que uns raros seres são capazes.
Se curvar em detrimento de seu ego, isso é mais raro ainda.
Agradeço a leitura.