https://www.poetris.com/
 
Duetos : 

A PRINCESA & O BARDO

 
Tags:  paixão  
 
A PRINCESA & O BARDO
 
DUETO FEITO EM: 26/07/2016
LEIA-SE: DC= DELONIR CAVALHEIRO
FA= FÁTIMA ABREU FATUQUINHA


A tua amada em noite enluarada, se vê presa a lençóis de outrem...
Enfim, é a vida!
Quando o amor se perde para a dor...
A tua amada avança pensativa à janela...
Olha para o brilho da lua, o que será que espera?
Teria dado ao seu amado poeta, motivo para voltar?
Percorreria terras distantes, por rios ou mar?

Fátima Abreu FATUQUINHA



DC:
A dor ensina a viver
Se de outro se enamora
Não era de ser
O que tiver de ser meu
O futuro trará
Talvez nas noites
Um ou outro corpo
Me aquecerá



FA:
Será que o perfume de rosas em seus cabelos, ele vai relembrar?
Dele, ela tem somente o cheiro, em seu travesseiro...

O corpo se aquece, com o amor que bem se merece!

DC:
De que adianta trôpego passo
Amanhã ela me receberá?



FA:
Embriaga-se a amada do bardo, em vinho tinto e suave... esqueceria-o?
Não! Pois essa não era sua vontade...
Receberia sim, dentro do corpo ardente, que pede o dele, clemente!

DC:
Talvez a canção da lira
Ode ao luar
Que faço eu para te amar?


FA:
Faça apenas o que seu coração manda, poeta que me encanta!
A tua lira trovará para mim, e meus olhos se perderão aí então se fechará meu pranto...


DC:
Enfim debruça a noite gélida
Quisera ter teus lábios quentes e teus abraços a me aquecer.
Talvez teu corpo quente. Em alvos lençóis a me receber


FA:
Ah, mas essa saudade há de passar! E o encanto do trovador, na minha memória há de ficar!
Recebo-te, qual iguaria para sua boca...
Abro o que queres de mim, tal qual rosa que desabrocha


DC:
Saudade, saudade
Passa e não demora
Fere meu peito
Ferro em brasa
Chegue o amanhã
De novo vou te ver
De lira em punho
Fazer amor até amanhecer


FA:
Toma-me agora! e percorreremos juntos, a geografia de nossos corpos
O amanhecer encerrará a noite inteira que de amor, se terá
E o trovador poeta de nascimento, cobre suavemente sua bela amada, como sua brisa a tocar-lhe macia o corpo desnudo, na cama já fria...


DC:
Passear por montes
Dedos corpóreos
Desvendar o segredo e te fazer poesia
Na noite de amor
Inteiramente minha


FA:
Tua! sim, que meu corpo seja estrada nua!
Ah, quisera ter-te em todos os momentos, é verdade!
Bardo que me acalma toda as vontades!


DC:
Estrada nua pra mim
Caminho reto
Campo certo
Para de novo te amar
Estrada nua
Me acende
E me acalma
A alma
E assim
Este poeta vagabundo
Parte do mundo
Em paz
Por que amou
E foi amado

FA:
A alma branda, enfim junta-se a tua!
E no soar do cantos dos pássaros ao amanhecer estaremos juntos poeta e musa...
Eu e você


Fátima Abreu Fatuquinha

 
Autor
FATUQUINHA
 
Texto
Data
Leituras
543
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.