https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

EU

 
EU
Eu nasci das folhas caídas no Outono!
Nas madrugadas caiadas de branco,
Trazidas pelo suão...
Nasci no meu tempo e fora dele...
Do ventre em sangue de minha mãe!
Senti da terra...
O perfume, o ventre, o coração...
O seu apelo no voo das aves...
O bailado na ramagem da copa nos sobreiros...
O ondular no mar dourado das cearas!
Sentia-me livre e do tempo prisioneiro,
Que amordaçava os meus sentidos,
Em grilhões de realidades...
Fugia do mundo...
E no mundo me encontrava,
Abrigando-me assim em desabrigos;
De campos gelados de mim mesmo,
Onde o sol se põe orvalhado de saudades!

F.Serra


 
Autor
F.Serra.Pintor
 
Texto
Data
Leituras
489
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
24 pontos
12
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 15/08/2016 10:30  Atualizado: 15/08/2016 10:30
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: EU
O vento quente do sul deixa cair as “folhas” do “Outono”, revelando as “madrugadas caiadas de branco” que se projectam como paisagem de fundo de um tempo onde o EU nasceu, apesar de “fora dele” - já que ainda desconhecendo esta paisagem (e a própria noção de tempo).
Do “ventre em sangue”, a criança sente o “coração” da mãe e essa é, inicialmente, a sua “terra”.
Mas as “aves”, cá fora, apelam ao “voo”… bem como “o bailado na ramagem da copa” dos “sobreiros” e o “ondular no mar dourado das searas”. Todo este movimento induz a sensação de liberdade, mas somente no espaço, já que do “tempo” o EU é “prisioneiro”.
Foge-se “do mundo” mas é nele que nos encontramos, abrigando-nos em “desabrigos” que nos trazem “realidades” com menos “grilhões”… e onde os nossos “sentidos” não são tão amordaçados para que melhor possamos percepcionar o mundo.
Somos nós que gelamos os “campos” que nos rodeiam quando, perante um pôr-do-sol, nos deixamos invadir por tempos antigos, orvalhando a paisagem de saudades… algumas doces, outras certamente melancólicas, fazendo-nos prisioneiros de nós mesmos – de grilhões encurtando o nosso tempo.
Gostei destas imagens que aqui foste elaborando. É delas que vive o poema e, por elas, se podem seguir diferentes caminhos de leitura.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/08/2016 10:49  Atualizado: 15/08/2016 10:49
 Re: EU
Bom dia e seja bem vindo.
Engraçado, que para ser um bom poeta, acho que primeiro, deveríamos ser educados, mas em fim.
Fazer o que, se a própria vem de berço.
Vida que segue.
Lindo o seu texto, meus parabéns.
Obrigado pela visita ao meu perfil.
Nada existe lá, para não corromper, ou macular, qualquer das intenções.
Abraços e ficar bem.
Tracajá
Open in new window


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 15/08/2016 15:40  Atualizado: 15/08/2016 16:15
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1598
 Re: EU
Em fim.
Bem-vindo
Bem-vindo
Bem-vindo
Bem-vindo
Bem-vindo
Bem-vindo
Bem-vindo


Boa estrutura, linguagem agradàvel.......

Cada um dà as boas-vindas à sua maneira.


Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 15/08/2016 15:47  Atualizado: 15/08/2016 15:47
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5282
 Re: EU
gostei. seja muito bem vindo!


Enviado por Tópico
Juvenal Nunes
Publicado: 16/08/2016 11:31  Atualizado: 16/08/2016 11:31
Da casa!
Usuário desde: 28/07/2013
Localidade: Douro Litoral
Mensagens: 439
 Re: EU
Sempre que questionámos a nossa vivência encontramos na natureza um paralelismo que se transforma num refúgio apaziguador.

Juvenal Nunes


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/08/2016 23:14  Atualizado: 19/08/2016 23:14
 Re: EU
Gostei!
Seja bem vindo!

Abraços