https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Sobre ti, a alma e a nossa mútua indiferença

 
Ao redor, tal melodia, os risos cativantes,
afoitos belos rostos na mesma multidão.
O penhor da tua indiferença foi tão intenso,
de repente fez em nevoa rútilos instantes;
de repente a ansiedade explodiu no coração,
de terno amor tomado, entusiasta imenso.

Ninguém escolhe a quem amar pela vontade,
a fria razão também pode preterir a escolha,
desenha-te uma missão, imbuída de temores.
Parecia tua alma ter-se permeado na piedade,
- afinal, a ti restaria o desejo débil da folha,
contrariando o vento, desafiando os humores.

Assomaram logo os gritos da indiferença
- e olhas como fossem outros os teus olhos,
vês semblantes fechados, brados na multidão.
Súbito vi a maldade da alma abater a crença,
a nau a pique, o desamor, pontiagudos abrolhos,
e nós... indiferentes... cada qual buscando a razão.

 
Autor
Phalaenopsis
 
Texto
Data
Leituras
562
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ikhzen
Publicado: 29/10/2016 12:49  Atualizado: 29/10/2016 12:49
Muito Participativo
Usuário desde: 27/03/2016
Localidade:
Mensagens: 50
 Re: Sobre ti, a alma e a nossa mútua indiferença
A razão é um cavalo de guerra.