https://www.poetris.com/
Poemas -> Sombrios : 

Indigente dos sorrisos

 
Como tudo nessa vida tem valores e amores, com ela apesar dos pesares não era diferente.
Mesmo que escondido carregava no mais profundo de si um sonho.
Sonhava uma vez ao dia durante à noite depois das luzes apagadas (se sentia mais segura) Fechava os olhos e sonhava que tinha um Lindo sorriso, alvo,brilhante e extremamente doce.
Sonhava que tinha um estoque ilimitado de sorrisos,de todas as formas e estampa era tamanha sensação de alegria que era como se tivesse ganho na loteria e pudesse com todos repartir distribuindo sorrisos especiais à toda gente.
Era como quem fosse ela a mamãe noel dos sorrisos.
Assim com esse tolo sonho todas às noites embalada por ele adormecia.
Um dia dormiu e não mais acordou, a vizinha foi interpelada pelo antigo patrão:
- e morreu assim sem mais?
- sim Senhor - Respondeu a mulher.
- Que pena...Apesar de sempre esconder o tímido rosto, ela sorria com os olhos e iluminava meu dia.
- o meu também, pena que ela morreu sem saber quantas alegrias causou
O homem colocando uma pequena caixa entre ás maos da senhora disse:
Me importei tarde demais me aproveitando do fato dela nunca ter me pedido nada ou reclamado, mesmo assim entrega por mim por gentileza?
Andou até onde jazia o corpo, ofertou uma rosa e foi embora.
A vizinha curiosa foi entregar o presente ao pé do caixão colocou a caixinha.
Lá ficou parada cismando...

Depois escrevo à continuação. Agora perdi a vontade 😕
 
Autor
Chou
Autor
 
Texto
Data
Leituras
178
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 26/07/2018 14:01  Atualizado: 26/07/2018 14:01
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9304
 Re: Indigente dos sorrisos
Bom dia Chou, teus versos enredam um personagem que gastou a vida entre vales e abismo, mas sempre buscando formas de se integrar melhor com as suas demandas do cotidiano, parabéns pelo vosso redundante poema, um abraço, MJ.