https://www.poetris.com/
Poemas : 

Queimadas

 
Ouvi o clamor da terra
Senti o odor de longínquas queimadas
Gritos atônitos transpassaram léguas
E que ecoaram por tamanho desespero.

Filhotes ao ninho sem recurso
Restando-lhes apenas o segundo vindouro
Que durante a ciranda das labaredas
Elas, sem piedade;
Encerram – prematuramente - o canto mágico,
Ou o uivo colossal,
Ou o ciclo da essência vital.

Ouvi o clamor da terra
Ouvi a insensatez mundana
Ouvi histórias de futuro promissor
Embasados pela melodia fúnebre
Sem misericórdia daquela dor.

Lembrem-se:
Diante de uma possível resposta
O equilíbrio natural acontecerá
E você sentirá as mesmas dores e aflições.

Diante da força da natureza
Não há logística quanto à prevenção ou combate;
Não há soberania humana;
Ela, a natureza, é suprema!

Outras, acesse: Blog "Roberto Mello - Escritor & Poeta"

 
Autor
RobertoMello
 
Texto
Data
Leituras
150
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
1
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 20/10/2017 11:19  Atualizado: 20/10/2017 11:19
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29228
 Re: Queimadas
A natureza age de acordo com amação do homem, depois vem as tempestades destruindo tudo, ai vem as lagrimas