https://www.poetris.com/
Mensagens -> Desabafo : 

Sou muito mais para além do que aparento ser

 
 

Confesso, já estou um bocadinho cansado
Eu não gosto de me repetir
De repetir para mim mesmo bem como para todos vós o mesmo enunciado

A residirem no céu ou na terra espero que me estejam a ouvir
Estou destinado ao fracasso desde o dia que nasci
Querem saber mais detalhes, sigam-me até ao hospital santa Maria
Os momentos iniciais foram marcados por lágrimas, emoção e alegria
Os tais que acabariam por se revelar de pouca dura
Portador de um hemangioma facial, doença para a qual não havia cura
Os minutos e as horas passavam e eu só conseguia verificar a dor a aumentar
Tive de andar com um sujo de um capuz para me salvaguardar
Mas nem isso chegou para impedir muita gente de deitar a toalha ao chão
O mais engraçado foi quando mais tarde vieram comer na minha mão
Com a principal intenção de terem o meu perdão mas quem perdoa é o senhor
Eu só consigo guardar mais e mais rancor
Não tenho culpa de todo este meu alvoroço, se eu pudesse escolher, escolhia nascer num berço de ouro

Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser
Ponto final, fim da conversa
Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser

Dizem que eu aparento ter menos idade do que realmente tenho
Fico com dúvidas se devo tomar isso como respeito ou então por desdenho
Eu não sei se já disse mas eu sou um pessimista de todo tamanho
Até posso agarrar um trabalho com unhas e dentes e ainda assim dizer que não houve empenho
Julgo que já me está no sangue complicar o que é claro
Bem como descomplicar o primeiro disparo
Na realidade é muito fácil fazerem-me perder a paciência
Basta associarem-me ao mundo da ciência
Vê-se mesmo que não sabem o que penso acerca desse campo
Acreditem que não estou a exagerar quando digo que me dá sarampo
Além do mais viver agarrado aos telefones é meio caminho andado para chegar a um ponto sem retorno
Esse ponto chama-se nada mais nada menos que transtorno
Eu até evito andar debaixo da sua saia
A prova é que o deixo em casa quando vou limpar chaminés para a Damaia
Mas nem assim as memórias e lembranças deixam de me atormentar
Então eu tenho de estar com a preocupação de inventar diversos traços
Só Deus me pode julgar!
Julgo que já deu para perceber que eu não sou homem de cruzar os braços

Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser
Ponto final, fim da conversa
Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser

Eu só quero cometer erros para mais tarde os converter em acertos
Julgo que a minha face apresenta grandes progressos
Não foi nada fácil pois colocaram em si uma hipocrisia
Para terem uma pequena noção o seu odor dava-me uma enorme azia
A última imagem de que me recordo é de um touro a ser agarrado pelos chifres
Eram tantos que nem tempo de tive de me pôr a cantarolar os três tristes tigres
Só de pensar que podia ir desta para melhor
Mas a verdade é que ainda aqui estou e quando olho para trás considero-me o Thor
Nas últimas operações eu supliquei pelo uso do pénis
Durante o meu sono a minha cara equiparava-se a uma bola de ténis
Enquanto a bola é chicoteada pela raquete
A minha cara cosida com um bandalho de um alfinete
O que vale é que eu me encontrava anestesiado
Senão julgo que tinha de meter em prática tudo aquilo que vi no filme fragmentado
Ao lado escutamos o choro da pobre mãe que acaba de perder o filho
Ficamos assim tanto um como o outro sem dormir, é de tirar o brilho
O que importa é que eu estou vivo
Enquanto há vida há esperança
Isso faz-me ficar com um nó na garganta
Será que eles sabem que é todo esse para arranca que me alimenta?
Se não sabem deviam saber
Que eu sou João Braga, o nascimento de uma lenda

Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser
Ponto final, fim da conversa
Só quem mora no convento é que sabe o que lá vai dentro
Uma batalha emocional onde eu escolho a emoção que ganha
Por outras palavras, eu sou muito mais além do que aparento ser


 
Autor
joao20
Autor
 
Texto
Data
Leituras
41
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.