https://www.poetris.com/
Poemas : 

CORDEL DA LUA DE SANGUE E DO SOL ENCARNADO / Quinta Parte: A LUA DE SANGUE

 
Tags:  CORDÉIS  
 
Quinta Parte:

A LUA DE SANGUE

Havendo Deus ou não, eu
Vi quando o sol s’escondeu
E a lua cresceu no céu.
Quando plena, todavia,
Sangrou por sobre o papel
Até se tornar cordel
E resplender em poesia:

A lua à sombra da Terra
Sumia como se a guerra
Que tem co’o sol a cortasse
E, ao fim, a ocultasse inteira.
De facto, quem ora olhasse
Mais e mais obscura a face
Veria d’esta maneira.

Mas quando escura de vez,
Ao invés de sumir, talvez
Quisesse o sol lhe sangrar
Tal como fora sangrado.
Assim, n’esta hora e lugar,
O sol soube à lua outrar
Com seu rubor encarnado.

Plena noite, a lua plena
Deixa d’enluarar serena
Os céus da minha terra
Para sangrar d’encarnado
Feito o sol que se desterra
Ao se pôr de trás da serra
Depois do dia acabado.

Porém, além da beleza
-- E, sobretudo, rareza --
Nada sobrenatural:
A lua volta da sombra
A pratear sempre igual...
Sem vir juízo final
O eclipse já não assombra.

Não que não houvesse guerra
E peste e fome na Terra,
Além de grandes tragédias,
-- Quer naturais ou nem tanto...
Mas nada acima das médias
A grafar enciclopédias
Com mais verbetes de espanto.

Não houve o que estava escrito;
Nenhum poder infinito
Perseguiu os cristãos justos.
Tampouco arrebatamentos
Ou outros eventos robustos
A deflagrar entre sustos
Finais acontecimentos.

O que houve foi outro dia
Com a sua travessia
Para o crente e para o ateu.
Nada novo se contou...
Nada novo s'escreveu...
Pois tudo isto aconteceu
E o mundo não se acabou.

Betim - 02 06 2018


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
43
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.