https://www.poetris.com/
Mensagens -> Amor : 

Coração inquieto

 
Tags:  pensamento    REPOUSO  
 
Open in new window
Em meu leito:-um repouso
O sono não vem, atenta
Espero, pensamento aventa
Momento ruim que não ouso.

Troco o meu pensar
E o sono não vem
Onde está você meu bem?
Distante não sabe de meu penar.

Silêncio em noite escura
Mas o sono não vem
Coração inquieto também
Sem repouso, me ergo e saio à sua procura.

Nereida

https://novanereide.blogspot.com

 
Autor
nereida
Autor
 
Texto
Data
Leituras
69
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
8
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 09/10/2018 23:59  Atualizado: 09/10/2018 23:59
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1237
 Re: Coração inquieto
É desse jeito mesmo. Quando estamos inquietos parece que o tempo não passa. Parabéns pela poesia. Beijos!


Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 10/10/2018 07:20  Atualizado: 10/10/2018 07:20
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2554
 Re: Coração inquieto
Versos lindos, querida amiga!!

Andamos sempre a procurar o amor que precisamos tanto!

Parabéns!!

Um beijo!


Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 10/10/2018 11:03  Atualizado: 10/10/2018 11:03
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1485
 Re: Coração inquieto
As noites tendem a ser uma eternidade... quando nos falta a pessoa amada! Tudo parece mais longínquo. Gostei do poema que me levou a sentir esse mesmo caminhar em busca do que o coração sentia inquieto.
Lindo poetisa querida! Beijos!


Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 10/10/2018 21:45  Atualizado: 10/10/2018 21:45
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 5935
 Re: Coração inquieto
O coração se inquieta, quando outra metade se ausenta, sem dizer onde está, sem dizer quando voltará à quentura do lar, e nisto, a solidão aperta a alma de quem fica à contar horas que custam séculos.

Belo o seu poema, poetisa nereida. Adorei.

Abraço!
upanhaca