https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

O olhar do meu Outono!

 
Open in new window
Não há forma de medir o que sinto!
Descrevo assim as vezes que entender!
E é como uma chama que te chama!
Uma chama que te chama!
a chama que te ama!

As cores, a essência! É tanta a beleza que olhas!
E o sol de outono e a cor das folhas em chama,
Enalteço um manto de folhas amarelas e vermelhas!
Vejo uma chama no chão, uma chama que te chama!

E de alma cheia vejo as folhas a caírem, pausadamente (...)
Criando o mais lindo tapete que caminhas,
O momento da tua vida onde te vejo secretamente!
Secretamente imaginas as nuvens cobertas de sonhos e vento!
A natureza destacando a seu brilho no meu coração,
E tão brutal meu sentimento que sem querer deixo-te cair!

O verso mais perfeito para mim é onde tu estás(...)
Inspiração de todos os tempos infinitos,
Penso e levo-te sentimentos bonitos,
Pega neles e guarda meu amor no teu coração(...)

By. Quandoosolreluz/acor

https://acor13.blogspot.com/2018/11/o-olhar-do-meu-outono.html


Eu sou só, mais uma sombra que anda por aí e quem projeta-me, inevitavelmente acompanha-me.

Íris Correia /Quandoachuvacai-A.C.O.R


blogger:https://acor13.blogspot.pt/




 
Autor
Quandoachuvacai
 
Texto
Data
Leituras
327
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
A.C.O.R
Publicado: 30/11/2018 13:49  Atualizado: 30/11/2018 13:50
Colaborador
Usuário desde: 17/10/2013
Localidade: Lisboa
Mensagens: 694
 Re: O olhar do meu Outono!
Isto só porque gosto de outono e todas as estações ! de poesia e de falar de emoções!



Soneto Tonalidade do outono!

Este início de Outono, dourado
começa numa admira mudança;
E o incógnito conhece a dança?
Não sei, talvez pare. Deslumbrado!

As folhas fazem o leito de ouro
e o preferível cúmplice o Vento
Solfeja pelo hiato; suave, lento
e giza o mais belo miradouro.

Como assim, entusiasmante Outono?!
Fascinas-me tão incessantemente.
Venero o quadro do solo ardente!

Belo, este! Aquele! A Prima e o Outro!
Dás-me, esse quadro que pintas-te?
Não vi nenhum assim tão autêntico!

Ana Carina Osório Relvas/A.C.O.R
30/09/2015

Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=299936 © Luso-Poemas