https://www.poetris.com/
Poemas : 

Acorrentado a correntes que não posso ver

 
Atravessando madrugadas,
predestinado a estar sozinho
permaneço. No tempo da seca
das vacas magras de campos
com flores que não florescem.
Despercebida, a vida segue em
frente.
Sou o presente do meu
ser, tudo está parado
como as águas fedorentas
de um pântano.

Eu procuro por algo
poético
eu procuro por novidade,
será que o mundo não
consegue me surpreender
mais ou o chato aqui sou eu?

Desisti de um amor
que me doía, pelo menos
me rendia ótimos poemas
e ótimos poemas é eu me
sentir vivo,
é a vitalidade
é o sofrimento
e a angustia, a poesia
e a criação. É um espetáculo
sobre a frustração, apresentada
em pele branca e lábios vermelhos,
escorrendo por meus dedos.
Como toda boa fonte que fora
sentenciada, a seca alcançou.
Meu lábios estão rachados
meu estomago, faminto
minha esperança, morta,
executada por um pelotão
de nazistas que passaram
por aqui.

Quero colher o que vou plantar,
mas não há nenhum solo disponível
para minhas sementes,
nada crescerá, o sol está
forte. Tudo é cinzas,
se desfaz com o vento.
Não chove a dias,
minhas olheiras aumentam
minhas companhias diminuem.

Aguardo pelo dia em que
me sentirei livre dessas
correntes que nem ao
menos, posso ver.

 
Autor
GabrielsChiarelli
 
Texto
Data
Leituras
35
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.