https://www.poetris.com/
Poemas : 

Divina jornada

 
Viver para aproveitar?
Viver para amar?
Ou aproveitar para viver?
Ou amar para viver?

Sou uma espécie de poeta, não sou vidente
E mesmo com estas questões que me aparecem á frente
Não consigo adivinhar o futuro
Apenas consigo deletar o passado
E se for preciso, á patada e ao punho derrubo o muro
Deixando apenas uma pedra em seu lugar, para que ao vê-la me lembre de todo o meu aprendizado

Viver para sentir?
Ou viver para obstáculos abolir?
Sentir, para me sentir mais pessoa?
Ou abolir obstáculos para melhor ouvir tua voz que em meu âmago ecoa?

Sem dúvida sentir para viver
E viver apaixonadamente para a chama adormecida acender
Sem dúvida que a tua voz soa mais límpida sem o muro no meio
Mas que posso eu fazer se sou como um burro, como um esteio?

Sair de casa para aproveitar o sol que emana magia?
Ou ficar no sofá aproveitando esta acalmia?
Sair do casulo e vaguear por esse mundo
Ou ficar neste sofá aproveitando a vida de vagabundo?

Se saio de casa quando o sol 'tá encoberto
Porque não hei-de sair quando o céu 'tá aqui bem perto?
Se vagueio só por este mundo
Porque não atinar e deixar de ser esta abécula que tudo destrói em 1segundo?

Viver a vida sem complicações
Viver a vida sem cobranças, sem demasiadas questões
Verdadeira essência escondida no fundo do meu ser
E este "puto" que há-de ser "puto" até á hora de morrer

Não me importo de ser homem com mentalidade de criança
Criança livre e tresloucada, que ao som da tua sinfonia dança
Criança que vivia na inocência
E que mais tarde virando homem entrou em falência

Criança que é criança gosta de extravazar
Criança que é criança gosta do mundo percorrer, do mundo explorar
Homem que é homem gosta de em seu jardim fixar suas raízes
Homem que é homem, tem orgulho em todas as suas cicatrizes

Mas seja homem, seja criança, sou sempre meio-máquina / meio pessoa
Mesmo vagueando por aí á toa
Nunca me esqueço do mais importante nesta nação
Mais importante que ter fama e glória, é ter bom coração!

Não sou super-heroi, e muito menos defeciente
Sou um camafeu, um pouco tolo, um pouco diferente
Um gajo que 'tá sempre colado no café
Mas que sempre vê, sempre te ouve e sempre te sente

Uma estrofe para cada mês
Afinal tenho algum talento, vês?
Um verso para cada semana do ano
E afinal não sou tão frio assim, sou máquina mas também sou humano
Um ano passou desde que meu cérebro congelou
Ele que funciona como uma máquina, e mesmo assim um "mero"(GRANDE, GIGANTE, ENORME) mortal o desconstruiu e para melhor, para bem melhor a máquina mudou!



MINHA POESIA MALDITA...
VEM DE MINHA ESCURIDÃO
E MINHA POESIA LUMINOSA
DE MINHA FONTE DE INSPIRAÇÃO

Peace & love
FidesinOculisMeis 2019®

Honra seja feita a esse hacker desconhecido que instalou um vírus em meu código sem que eu me apercebesse
 
Autor
FidesinOculisMeis
 
Texto
Data
Leituras
75
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.