https://www.poetris.com/
Poemas -> Minimalistas : 

Inferno

 
Open in new window
No inferno profundo escarpada
serra
a paúra encerra o final do mundo
no inicio da era
novos mares, novos ares, se viver
eu pudera...
No azul do infinito
despertei num grito, um sonho, insolência
saia do meu rastro, obtuso, largue do meu mastro, seu luso, é preciso ter consciência...
KLoram

 
Autor
Kai
Autor
 
Texto
Data
Leituras
125
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
bitcoin
Publicado: 10/09/2019 21:21  Atualizado: 10/09/2019 21:21
Super Participativo
Usuário desde: 05/09/2019
Localidade:
Mensagens: 116
 Re: Inferno
pois... é preciso... mas ninguém consegue estar na posse dela cento e sessenta e oito horas por semana. "larga meu mastro..." gostei. bem, hoje a fotografia nem me pareceu com cara de morto! (perdoname)

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 21/09/2019 18:13  Atualizado: 21/09/2019 18:13
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1996
 Re: Inferno (Joaquim Pessoa)
Eu sei, não te conheço mas existes.


Eu sei, não te conheço mas existes.
por isso os deuses não existem,
a solidão não existe
e apenas me dói a tua ausência
como uma fogueira
ou um grito.

Não me perguntes como mas ainda me lembro
quando no outono cresceram no teu peito
duas alegres laranjas que eu apertei nas minhas mãos
e perfumaram depois a minha boca.

Eu sei, não digas, deixa-me inventar-te.
ao é um sonho, juro, são apenas as minhas mãos
sobre a tua nudez
como uma sombra no deserto.
É apenas este rio que me percorre há muito e desagua em ti,
Porque tu és o mar que acolhe os meus destroços.
É apenas uma tristeza inadiável, uma outra maneira de habitares
Em todas as palavras do meu canto.