https://www.poetris.com/
Poemas : 

CENTELHA 190 SONÂMBULOS

 
"Contentavam-se com matar o tempo à espera de que o tempo os mate."(Conde Fosca - Simone de Beauvoir).

CENTELHA 190
SONÂMBULOS

E fazemos tudo de novo e várias vezes.
Sofremos as perdas do que nunca tivemos
e adquirimos novas e falsas posses de coisas e gentes.
Choramos amores desfeitos.
Mas logo os substituímos por outros parecidos.
A roda gira de novo entre alegrias e tristezas.
Eterno ir e vir absurdo de lágrimas e sorrisos.
Alegrias e tristezas se revezando numa louca busca
que só termina com a morte que não é.
Eterno ocupar do tempo com passatempos infantis
que consideramos sérios.
Tudo que nos puder afastar de nós mesmos é bem-vindo
nesse sono misto de sonho e pesadelo.
Não queremos parar a roda.
Não vamos deixar de tomar a dose diária desta brincadeira
em que viramos o brinquedo.
Matamos o tempo esperando a morte.
Somos sonâmbulos que não querem ser acordados.
(Irmão Paulo de Paz).

 
Autor
PROTEUS
Autor
 
Texto
Data
Leituras
127
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.