https://www.poetris.com/
Crónicas : 

Borboletas amarelas

 
Tags:  vida    morte    mundo    quarentena  
 

Ao despertar da alva, apesar de tudo que está acontecendo no globo terra veio-me, um espírito de paz e gratidão.

Ao abrir a janela do quarto pus-me, a contemplar o deserto das ruas vagas.
- Um silêncio tão profundo que doeu na alma.
Sempre naquela hora da manhã o vai e vem das pessoas apressadas em suas caminhadas...

Sem se quer, se cumprimentarem; devido suas urgências constantes.
- Nessa época de quarententa fez-me, refletir sobre nossas atitudes.
- E entender pequenos gestos que seriam tão grandes hoje, e foi deixado para trás.

Ali - parada frente aquela belíssima pracinha olhando em direção a uma pequena capelinha, por um momento fui levada a um tempo de outrora.

- Ricas lembranças, guardadas na memória do meu tempo de menina junto as minhas amigas.
- A bicicleta era a minha preferida dava uma volta rápida, que tempo maravilhoso.

-As lágrimas quiseram me dominar, mas naquele momento a natureza viva trouxe-me para outro cenário.
- Ao olhar para o alto estava num vai e vem centenas de borboletas amarelas...

- Tão felizes, que chamei a atenção da minha mãe. A senhora precisa ver isso: As borboletas amarelas tantas...
Que lindas! Meu Deus quantas, sorrir lembrando do meu neto que ama borboletas e que eu ficava procurando -ás, para mostrar para ele quando bem pequenino.

-E hoje, elas vieram com toda liberdade, no seu direito de serem borboletas livres sem medo de alçar voos.
Claro que elas estão ali todos os dias, mas nós não a percebemos além de afungentá-las.

Aí, dei- me, conta da triste realidade.
Foi como se as escamas dos meus olhos tivessem caído tirando toda cegueira.
Refleti: E pensei, Deus é único, sabe tudo e para quê. Nem queira entender?!
Até porque, nem eu, nem você vai olhar o mundo com o mesmo olhar de ontem.

Porque agora diante da morte iminente, sem ter para onde correr, nós temos que se vergar mais e mais...
E para nós que ficarmos, abraçarmos a vida o irmão como se nunca houvera acontecido antes.
Frente a nossa pequenez diante do poder de Deus.

24/03/2. 020
Mary Jun


Mary Jun

 
Autor
Maryjun
Autor
 
Texto
Data
Leituras
101
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
4
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 26/03/2020 01:53  Atualizado: 26/03/2020 01:55
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16472
 Re: Borboletas amarelas
Mary

E hoje, elas vieram com toda liberdade, no seu direito de serem borboletas livres sem medo de alçar voos.
Claro que elas estão ali todos os dias, mas nós não a percebemos além de afugentá-las.

Aí, dei- me, conta da triste realidade.
Foi como se as escamas dos meus olhos tivessem caído tirando toda cegueira.
Refleti: E pensei, Deus é único, sabe tudo e para quê. Nem queira entender?!
Até porque, nem eu, nem você vai olhar o mundo com o mesmo olhar de ontem.


Gostei imensamente do que li, principalmente desse trecho! Espero que essa pandemia passe e as pessoas reapareçam nas ruas borboleteando! Parabéns!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 26/03/2020 10:48  Atualizado: 26/03/2020 10:48
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 1816
 Re: Borboletas amarelas
Mary,

Somos pequenos perante o poder de Deus... espero que sejamos de novo borboletas, e possamos respirar de alívio, e valorizemos aquilo que o dinheiro poderá comprar.

Gostei do que li. Beijinho.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 27/03/2020 15:46  Atualizado: 27/03/2020 15:46
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2896
 Re: Borboletas amarelas
🌹


Bendito seja Deus
que nos ampara todos os dias


beijos poetisa Maryjun

Enviado por Tópico
nereida
Publicado: 27/03/2020 16:23  Atualizado: 27/03/2020 16:23
Colaborador
Usuário desde: 27/08/2017
Localidade: São Paulo
Mensagens: 1482
 Re: Borboletas amarelas
Mary só assim o ser humano (alguns) se dão conta que não somos nada diante da fúria da natureza.
Gostei do texto.
Bjs