Poemas : 

Cacos

 
Formosa e bela, deverias ser minha
Não mais posso te dominar...não queres
Preferes ao feitor sujeitar-te
Recusaste a doce e ilusória idéia de amar
A um, e somente a um senhor...o bom senhor
E tornou-se um mero objeto de luxúria...azar

Fragmentaram-se os valores em desamores
O desapego, muitos amargores, dores
A alma que chora e deseja ser querida
Pelo seu animalesco desejo é impedida
Desimpedida, desinibida...os senhores a domaram a ser atrevida
E ela, desamparada, repete e faz o que lhe fora ordenada

Oh terra desolada, até quando conseguirás
Se adaptar, para resistir, e não se acabar
Até quando este ciclo de caos girará (e repetir-se-á)
Não mais depositarei minha esperança em tuas palavras
Nem porei meus lábios em teus lábios
E meu coração em tuas mãos

Nossos corpos se entrelaçam, mas não se possuem
É mera natureza primitiva, não há sincronia
Fragmentou-se entre vários amantes
Carregando deles suas frustrações, fraquezas e medos
"Tudo podeis fazer"- mentiram eles
Tantos anos se passaram, e não mais sabe o que fazer

Que não te enganem (não goste do engano)...não somos livres
Cativos, nossos corpos e almas
Entregues por nossa própria vaidade a um mundo de vaidades
Repetindo os mesmos erros todos os dias por gerações
Arrastamos esse mundo de ilusões
Que nos pesará na velhice, no arrependimento e no caixão...

 
Autor
neon
Autor
 
Texto
Data
Leituras
924
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/05/2021 00:31  Atualizado: 29/05/2021 00:31
 Re: Cacos
Perfeito e profundo. Abriu meus olhos e ouvidos para quê ouça e veja.
Infelizmente vivemos nesse ciclo de caos , a vida é uma meretriz, sempre vivendo do agora e das jóias , a liberdade vem de não desejar essas riquezas, muitos sabem disso mas prefere o povo cego para continuar vendendo a podre maçã.

Gostei do poema e tive que por pra fora meus sentimentos.