Poemas -> Crítica : 

Obviedades

 
Sangue que tinge uma nota de duzentos
Derramam-se vidas em altares por dinheiro
Fenômeno rotineiro,mais óbvio que a própria realidade
Criticada por filósofos e sábios desde os tempos da antiguidade

Não existem mocinhos, pois todos são vilões
Tudo se resume a interesses e poder
Habilidosos desde os cabelos até o brilho dos sapatos
Palavras que incendeiam os corações
Dos mais fracos, desesperados
Iludidos idólatras a espera de um redentor
A endeusar qualquer aproveitador

Nos fazem derramar lágrimas
Apenas para nos venderem lenços
Do caos tiram o seu sustento
Assim o foi, e assim o sempre será
Não há esperança para este lugar

Olhemos a história, das guerras somos filhos
Um morre, o outro mata e outro manda matar
Pintadas são as terras de sangue, e por lágrimas são regadas
Um povo destrói o outro, o assimila, o escraviza
E não para até que contados estejam os seus dias

Inevitável humanidade, hipócrita humanidade
Tem orgasmos diante da crueldade
Triste humanidade, quebrada humanidade
Morrerá pela espada da própria vaidade

 
Autor
neon
Autor
 
Texto
Data
Leituras
670
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/07/2021 11:53  Atualizado: 06/07/2021 11:53
 Re: Obviedades
Uma bela e emocionante narrativa, gostei da parte do lenço e do orgasmo.
O caos desorienta impedindo a visão e a união , já que ela causa brigas.
É triste mas não é para todos os nossos olhos estão sendo lavados .