https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Arrumo a casa como gostas

 
Enquanto tu maquilhas o poema
Eu arrumo a casa como gostas,
Fujo às obrigações mais chatas.
Já ninguém reclama!

Aqui instalou-se a monotonia há muito
E nada é como se possa imaginar .
Embora a perseguição em algumas coisas seja obsessiva…
O inconformismo obedece em cada canto a outras dores…

Respondo à tua ironia
Abstraída de tudo
E vou ficando…

Na utopia da escrita
Que não lês
E onde ainda te encontro.

 
Autor
Esqueci
Autor
 
Texto
Data
Leituras
361
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
12
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/07/2021 21:36  Atualizado: 23/07/2021 21:36
 Re: Arrumo a casa como gostas
para que é que serve uma casa arrumada rapariga dos óculos tortos? mesmo com eles tortos ainda vês melhor que o nosso senhor! pronto, uma casa arrumada em linguagem poética... é uma miséria. enfim. não descansam enquanto não arrumarem o mundo no cemitério. porra, vamos mas é andar à bulha. olha, tu dás-me aqui, eu dou-te naquele sítio... sabes eheh
continuação de um bom dia


Enviado por Tópico
Rafaeldesousa
Publicado: 24/07/2021 13:56  Atualizado: 24/07/2021 13:56
Participativo
Usuário desde: 11/07/2021
Localidade: Portugal
Mensagens: 39
 Re: Arrumo a casa como gostas
E bonito,
queria copiar uma frase,
que se destaca-se mas vale por um todo,
um estado de alma,
Bonito!


Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 25/07/2021 00:58  Atualizado: 25/07/2021 00:58
Colaborador
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade: Brasileira
Mensagens: 1380
 Re: Arrumo a casa como gostas
.
A ironia é mesmo uma praga nem eu consigo fugir dela e as vezes a uso. Isso é terrível.


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/07/2021 15:18  Atualizado: 29/07/2021 06:44
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1970
 Re: Arrumo a casa como gostas
Há uns dias (talvez já se tenham transformado em anos) numa conversa um pouco menos superficial que ainda vou arranjando no meu trabalho (não sei se sou eu que as começo) alguém me disse, contra o meu argumento mais ou menos idealista um sólido e quase triste: ficamos.
Saiu poema. (consultar no meu histórico, se quiseres)
Se é que isso se pôde chamar. Cada um, que chame o que lhe apetecer.
Uma prosa poética tem de ter um lado que consideramos poético para ter esse nome, ser em prosa e não em verso. Mas também posso estar errado.
Explorar as lógicas e além delas, as ilógicas, é um dos meus motores de busca da caneta. Ou do portátil.
Ficar é, amiúde, um acto de resiliência, fidelidade a uma ideia e a nós próprios, ao motivos que nos traz algures.
Assim como estou incerto se o suicídio é coragem ou cobardia, acho que abandonar merece o mesmo tipo de dúvida.
inclino-me, contudo e com tudo, para o de menos honra.
E sou obrigado a salutar os resilientes.

O teu poema, gosto de o chamar assim, tem além do sujeito poético, uma personagem com que o primeira enceta uma relação de quase diálogo.
Fico com uma estranha imagem a viajar no meu sótão (adoro palavras com dois acentos) de conjugalidade, quase de namoro.
Há algo de devocional no verso que dá nome ao poema. Ao arrumar a casa, organizar o espaço, as palavras, o sujeito poético faz o mesmo, com um prazer que se lê sem dificuldade, ao seu jeito, como o terceiro verso parece querer dizer.

A língua da ironia (que é uma figura de estilo bem caprichosa) tem receptores que são capazes de grandes feitos e terem o mesmo grau de defeitos, mas há que manter o tom, com elevação.
[Por falar nisso, deves ser um gajo bem giro, e eu escrevo este comentário nua da cintura para baixo]

Sabes que, quando me dá para reclamar, até deus responde.
Mas leio.
Como se este poema fosse escrito para mim.

E isso é que é a pedra de toque no que determina a qualidade de um poema (ou outro qualquer escrito), uma universalidade que nos toca pessoalmente.
Digamos que tu maquilhas os poemas com bastante argúcia.
Eu não gosto muito de aspirar o pó.

Abraço irmã

P.S: ah, ia-me esquecendo, um dos favoritos é meu...


Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 28/07/2021 23:54  Atualizado: 28/07/2021 23:54
Colaborador
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 582
 Re: Arrumo a casa como gostas
Esqueci o que ia dizer. :) Mas gostei muito do poema, muito real, transmite a ideia, que penso seja mais comum do que se pensa, de uma relação que vive de e para as aparências. Quando já há muito, dentro das paredes da casa, terminou, talvez devido ao desgaste das rotinas, talvez porque o amor acabou, ou nunca existiu. Abraço amigo


Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 29/07/2021 03:48  Atualizado: 29/07/2021 03:53
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 753
 Re: Arrumo a casa como gostas
-
Pode não haver um mesmo olhar, mas, há de se escrever sobre desamores!

https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=351633 © Luso-Poemasz

Um abraço caRIOca!