https://www.poetris.com/
Poemas -> Amor : 

Quando se fala de amor

 
Quando se fala de amor
 
Quando se fala de amor
E sente no coração
Uma paz que refrigera a alma
É porque encontrou a felicidade
Já não sofre de saudade
E só pensa nessa paixão.

Uma paixão que incendeia
Os pensamentos no peito
Cria um mundo novo
Cheio de magia e encanto
Não há mais dor e pranto
Se o amor que sente é perfeito.

Só há uma razão para amar
Quando se fala de amor
Deixar o sentimento fluir
Sentir a paz profunda no coração
Não sentir mais medo da ilusão
Porque agora o mundo é encantador.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

 
Autor
Odairjsilva
 
Texto
Data
Leituras
136
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/07/2021 21:05  Atualizado: 25/07/2021 21:05
 Re: Quando se fala de amor
o amor já não é como era, amor mesmo. agora o amor é fabricado em série num processo também conhecido por mass production... é fundido com uma liga até ao seu estado liquido e depois vazado num molde padronizado... qual amor! já não há amor. como é que pode haver amor num mundo cuja economia está no topo da cadeia alimentar! eheh amor! o amor existe nos filmes e as pessoas só são bonitas na televisão. amor! o amor fugiu
uma boa noite

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/07/2021 21:31  Atualizado: 25/07/2021 21:31
 Re: Quando se fala de amor
voltei... quando se fala de amor no contexto em que as sociedades vivem atualmente tendo em conta a natureza humana fala-se em suicídio. o amor existe, para muitos para saírem de casa dos pais, para outros tantos pela chama dos corpos, novos claro, ou então de meia idade devido à tesão, para outros tantos é um contrato com metas definidas, e, poderia continuar a enumerar situações várias até amanhã de manhã. o amor foi inventado por interesse, tal como deus. o amor seria algo incondicional. vou-te contar... eu costumo dar muitos passeios, não gosto de shoppings, ruas citadinas, etc, e procuro locais à beira mar ou à beira rio, então ultimamente tenho reparado que as pessoas dos quarenta e cinco anos para cima ou andam acompanhadas pelo cão, ou cadela, ou própria pela sombra. estes dias até pensei, será que o amor depois dos cinquenta foge com medo de alguma coisa! o que é curioso é que desde sempre falamos tanto de amor e eu no meu dia a dia constato que substituímos a presença do ser humano pela de um cão, pronto, amar um cão também é amor, mas, que raio de humanidade vinagrosa eheh depois quando vejo essas fotos e esses dizeres... agora é raro ver porque me vedei a vista ao excluir-me das redes antissociais mas... penso... ok, ainda há quem passeie o gato, a gata, normalmente num estilo de posse tipo, esta propriedade é minha, mas, com certeza que daqui a quarenta e cinco anos pelo menos os verei como vejo hoje os outros destas idades passear, o cão, a cadela... enfim. viva o amor