Poemas : 

Letargia

 
Que letargia, que cansaço, que falta de emotividade.
E que incompreensão a minha perante o que me tolhe o sentir, o movimento, o existir.
Caio na estrada, derrubada pelo peso da vida que se fez ferida na minha alma, no meu pensamento, no meu agir e deixo-me ficar, morrendo para o meu entendimento e querer. Deixo-me padecer nos braços daquele que me colhe na procura de um pequeno brilho no azul celeste. Na procura de sentir a vibração mais alta que posso conceber para me tirar do sono profundo do Ser e me elevar até o infinito.
Sono profundo que não me deixa ver ou saborear a maravilha do Eterno, a maravilha da existência.
Procuro bem no centro o sol que me traz vida. Que derruba os muros da insensatez e me abriga no Presente, dádiva feliz que me cinge e que me faz querer degustar a promessa do sem forma, sem nome, atemporal, sem limites e tornar uma só com o firmamento. Beijar as estrelas e descansar nas nebulosas e daí saltar para a realidade da perene Luz que me circunda.

 
Autor
MelPimenta
 
Texto
Data
Leituras
453
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/08/2022 13:10  Atualizado: 18/08/2022 13:10
 Re: Letargia
Um poema muito bem escrito que esta uma verdadeira maravilha, belo