Poemas : 

As telas sujas de branco,

 
 

Sonhos
São gastos
Supérfluos
Quando não saem
Fora da roupa

Os sonhos passando
Não deixam o pé do candeeiro
E pouco mexem
Com os nossos cotovelos


Os sonhos tão polivalentes
Na ilusão
Do sempre

 
Autor
eir
Autor
 
Texto
Data
Leituras
284
Favoritos
6
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
61 pontos
1
6
6
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 30/05/2023 04:17  Atualizado: 30/05/2023 04:19
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1993
Online!
 Re: As telas sujas de branco,
As telas são para a tinta.
É isso para que são...
O branco em que são feitas são uma forma de se inutilizarem, daí o sujo.
Bem pensado.
Sendo o objectivo final para que foram construídas a forma mais real de limpeza, ele não sendo atingido, suja.

A ligação tela-sonho torna-se depois fácil, assim como a dedução.
A primeira estrofe é um pouco desconcertante, isto é, sai "... fora da roupa..."
A roupa, uma nossa segunda pele.

Concordo que "...os sonhos passando..." não iluminam, não transformam a vida de quem os sonha.
Tendo em conta que há "...sonhos..." para além dos dormidos.

Os que planeamos e desejamos concretizar são os que valem mais.

Acabas bem na última estrofe, embora o "...polivalentes..." não me soe tão bem como o resto.

Já dizia o António Gedeão na Pedra Filosofal: "o sonho comanda a vida"


Bom reler poemas teus por aqui

Abraço