Poemas : 

Pudesse eu, andar pelas calçadas

 
Tags:  sentir    imensidão    gestos    bondade    Transparência  
 
Pudesse eu, andar pelas calçadas,

olhar a transparência dos gestos,
no mistério que veste os dias.

Pudesse eu, vislumbrar em cada olhar,
uma alma que se eleva, leve e solta,
desprendida de um qualquer olhar cego,
na nitidez dos silêncios e das palavras.

Pudesse eu, sentir na imprecisão
dos dias a amabilidade e iniciativa
vestida de cuidado,
como uma moldura de sensatez
e responsabilidade.

Pudesse eu, esperar a alvura
o olhar em dedicação, na margem
de todos os caminhos da inconstância,
sentir a esperança brotar levemente,
bem docemente, emancipada,
voluntariosa e precisa.

Pudesse eu, desfazer as realidades
desafiadoras, na inexistência
e todas as realidades que me rondam.

Pudesse eu, ver a bondade,
na imensidão que se expõe
tão inacessível e arrepiante
à voz da indiferença.

Pudesse eu, sentir a leveza de tudo
e munir-me de certezas,
ainda que o vácuo
da desesperança se levante.

Pudesse eu, deixar sair de mim
esta criança inocente, segurar
na sua mão, fitar o seu rosto angélico,
reerguer um novo existir,
e em novidade de vida,
de peito aberto e afoito,
receber em mim
esta quietude, num olhar
longe de mim, mais perto de Deus.

Alice Vaz de Barros


Alice Vaz De Barros

 
Autor
AliceVazDeBarros
 
Texto
Data
Leituras
280
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
15 pontos
1
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alpha
Publicado: 24/09/2023 21:54  Atualizado: 24/09/2023 22:03
Membro de honra
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1992
 Re: Pudesse eu, andar pelas calçadas
Pudesse eu, ter essa capacidade
De todos esses sonhos satisfazer
Não olharia ao tempo ou idade
Apenas apreciar a alma desse prazer!

Pudesse eu, mudar o mundo e as flores seriam as rainhas do universo. Só elas ditariam suas leis. E como a humanidade seria diferente!