Poemas : 

Atrás dos menestréis

 
 
Eu sei que posso ser um velho tolo
Acreditando nos versos que desenho
Seguindo os bardos como símbolos
Antigos menestréis e seus engenhos

Vejo pelos olhos dos velhos e crianças
E o mundo não parece ser tão colorido
Perdemos valores em nossa lembrança
Retornam num tempo quase esquecido

Fico triste desiludido mas aí eles chegam
Com suas flautas cítaras cordas e teclados
Nos ensinando versos de amor que teimam
Em dizer que o amor não é coisa do passado

E ainda que eu sinta uma dor que tortura
Que veja tanta maldade e frieza espalhada
Quando me visto de canção vão as agruras
Ficam as linhas que me guiam nesta estrada

Deus abençoe o amor que sempre
Encontrará o Caminho
Carlos Correa



 
Autor
CarlosCorrea
 
Texto
Data
Leituras
111
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZeSilveiraDoBrasil
Publicado: 20/04/2024 12:28  Atualizado: 20/04/2024 14:35
Administrador
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 1951
 Re: Atrás dos menestréis
.
.
.
Certa vez cantei coisa mais ou menos parecida com o tema - tenho um certo apreço por poetas, trovadores e menestréis...

Aquele abraço caRIOca!


Enviado por Tópico
Barbozza
Publicado: 23/04/2024 14:16  Atualizado: 23/04/2024 14:16
Membro de honra
Usuário desde: 24/07/2009
Localidade: Brasil - Alagoas
Mensagens: 1563
 Re: Atrás dos menestréis
CarlosCorrea, belo poema reflexivo-, abraço