Poemas -> Desilusão : 

SUPERFICIAL SUA COMPANHIA

 
SUPERFICIAL SUA COMPANHIA
 

Superficial sua companhia


Paraíso de amor fui construindo
Lugar reservado para ti adornei
Escolhei os melhores tons e designer
Tudo em perfeita harmonia
Semblante alegre e sorridente,
Quando de ti me aproximei.

Mas fui percebendo a distância
Superficial sua companhia
Quando boa noite eu desejava
Você dias não respondia
Eu ficando em reconvoco dilemas
As dúvidas meu coração consumia.

Nessa inquietude de sentimentos
Explodiram centelhas de desamor
Pensei até que tu seria minha,
Quando com o outro terminou
Enganei-me com símbolos controversos
Era ilusão, com ele você voltou.




Elias da Silva Barbozza


 
Autor
Barbozza
Autor
 
Texto
Data
Leituras
111
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alpha
Publicado: 28/05/2024 22:35  Atualizado: 28/05/2024 22:35
Membro de honra
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1971
 Re: SUPERFICIAL SUA COMPANHIA
Olá, Barbozza

Superficial companhia, presença vazia
Falsos sorrisos, na alma, aridez.
Laços sem força, convivência fria,
Coração anseia por calor e solidez!

Tudo que é insípido e superficial tudo desaparece na ilusão do tempo! Mas a esperança, é que existe sempre um novo dia!


Cordiais saudações

Alpha


Enviado por Tópico
Beatrix
Publicado: 29/05/2024 04:03  Atualizado: 29/05/2024 04:03
Muito Participativo
Usuário desde: 23/05/2024
Localidade:
Mensagens: 75
 Re: SUPERFICIAL SUA COMPANHIA
-
Olá.

Para já, para já, gostei imenso do título:
Superficial sua companhia. Não é a mulher que é superficial, mas a companhia dela. Interessante.

Tudo no poema traduz o que daquele modo se inicia: distância, dilema, dúvida, inquietude, desamor, engano, controverso. E, finalmente, ilusão.

Não é nada do que queiramos para nós. Por isso, sim, concordo consigo: Superficial sua companhia.

Parabéns, Barbozza, pelo texto.
Faz-nos pensar e lembrar que o que fazemos não é apenas para nós. E isso pode ser o princípio (usando as suas palavras) de uma inquietude que não é mais que ilusão.


Beatrix.