https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Lápis cor-de-pele

 
Tags:  desordem  
 
Peguei numa caixa de lápis de cor
para com eles fazer um desenho,
dos traços que fiz saiu um senhor
alto, com um sorriso estranho.

Pintei a sua roupa de azul celeste
e os seus sapatos de verde alface,
o céu pintei de um escuro cipreste,
mas parei ao me deparar com a face...

Com um lápis de cor-de-pele na mão
colori o rosto de rosa, de castanho...
e com a firmeza de sempre parei!

O Homem sem nome, mas com coração
tinha a pele enrugada, tamanho
foi o vinco que na pele lhe deixei...


(Cor de pele???)


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
942
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/06/2008 14:59  Atualizado: 19/06/2008 14:59
 Re: Lápis cor-de-pele
Rogério,
Um poema com imagens poética bonitas e criativas.O lápis cor-de-pele está genial.E a pergunta em adendo
"cor de pele?" leva a gente a pensar...Muito bom!
Bjins, Betha.