Poemas -> Amor : 

...outro sem título...

 
Ouço-te novamente
Revejo-te
Nesta melodia
Beijo-te
Meu anjo
Algures perdido
Quando os nossos
Encontros
Existiam num espaço
Inexistente
Quando éramos
Reconhecidos
No ar
Um pelo outro
Deixámos escapar
A ardente oportunidade
De se tocar
Na pele
Virtual
Apenas imaginação
Não existimos
Realmente


Open in new window

 
Autor
Maroska
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1014
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tytta
Publicado: 07/03/2007 15:26  Atualizado: 07/03/2007 15:26
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2007
Localidade: Portugal
Mensagens: 789
 Re: ...outro sem título...
Talvez tudo não tenha passado de um sonho, arrancado ao sonho de sonhar!
Tytta

Enviado por Tópico
Vera Sousa Silva
Publicado: 07/03/2007 15:37  Atualizado: 07/03/2007 15:37
Membro de honra
Usuário desde: 04/10/2006
Localidade: Amadora
Mensagens: 4098
 Re: ...outro sem título...
Se sonhaste é porque existiu!

Beijinhos

Enviado por Tópico
João Filipe Ferreira
Publicado: 07/03/2007 16:29  Atualizado: 07/03/2007 16:29
Colaborador
Usuário desde: 08/10/2006
Localidade: Lavra-Matosinhos
Mensagens: 1046
 Re: ...outro sem título...
quem sabe essa imaginação n é um esboco da realidade?? n no mesmo cenario, n na mesma altura,mas algo que contenha esse imaginario??
tudo é possivel..como por exemplo este lindo texto:)

Enviado por Tópico
Valdevinoxis
Publicado: 07/03/2007 23:07  Atualizado: 07/03/2007 23:07
Administrador
Usuário desde: 27/10/2006
Localidade: Aguiar, Viana do Alentejo
Mensagens: 2108
 Re: ...outro sem título...
Ao ler este tipo de textos, despidos de pontuação, fico com os sentidos despertos, pois tenho vontade de os recriar. De facto, este estilo, liberto o leitor para reconstruir o poema, pausando-o, respirando-o ou acelarando-o sem ser condicionado pela pontuação. É desafiante e nunca se lê o texto sempre da mesma forma. Gosto imenso e fico a lê-lo uma e outra vez. Bem escrito.

Valdevinoxis