https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Duas metades

 
São duas cordas
Duas metades
Um nó
Repara como não é uma corda só
São dois pedaços de nós, do nosso amor
Foi uma corda que esticou, esticou, esticou

São duas caras
Duas metades
Um beijo
Pintado pelo vicio nitido do desejo
Separadas pelo vinco vitreo do azulejo
Foi o tempo que quebrou, quebrou, quebrou

E enquanto partimos e reatamos
Enquanto quebramos e retocamos
Simplesmente nem reparamos
Que de tantos nós a corda encurta
Que de tanta tinta o amor deturpa
E que sem a corda que nos une
Ou o azulejo que nos espelha
Não há lume nem centelha
Nem vontade que nos nos valha
Que nos livre do queixume
E ateie este amor de palha
Navalha escorrendo em ciume.<br />
 
Autor
TrabisDeMentia
 
Texto
Data
Leituras
4490
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
4
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margarete
Publicado: 17/06/2007 01:17  Atualizado: 17/06/2007 01:17
Colaborador
Usuário desde: 10/02/2007
Localidade: braga.
Mensagens: 1199
 Duas Metades para Trabis...
Alma Gémea? Cara Metade? Chamem-lhe o que quiserem ninguém conseguirá escrevê-lo melhor do que tu. E depois esse jeito simples de ver as coisas, de tanto esticar a corda rompe-se.
Gostei... sinceramente!

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 05/10/2007 15:40  Atualizado: 05/10/2007 15:40
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: Duas metades
É isto é o verdadeiro amor... que saudades...

Beijo

Enviado por Tópico
Cláudia_Guerreiro
Publicado: 29/06/2008 03:48  Atualizado: 29/06/2008 03:48
Da casa!
Usuário desde: 11/05/2008
Localidade:
Mensagens: 337
 Re: Duas metades
tudo o que tu escreves é dotado de uma beleza que emociona
ler o que escreves é como ver o raior do sol, como contemplar o mar, é tudo o que se pode desejar

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/11/2014 12:25  Atualizado: 07/11/2014 12:25
 Re: Duas metades
«Que de tantos nós a corda encurta
Que de tanta tinta o amor deturpa
E que sem a corda que nos une
Ou o azulejo que nos espelha
Não há lume nem centelha
Nem vontade que nos nos valha»


Fonte: http://www.luso-poemas.net/modules/ne ... ?storyid=53#ixzz3INusbXcR

Concordo plenamente,porque in ou felizmente todo ou qualquer relacionamento regido pelo emocional humana,tem dessas questões,que se faz necessário para que aconteça e persista,penso que tem haver com a questão a própria limitação ou pronfundidade do mistério que aciona os sentimentos.