https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

AOS CAÇADORES I

 
 
Em tuas heróicas bandeiras
De colonizador do ano dois mil,
Entristeço-me ao ver
As nobres intenções que
Trazem-te ao interior vadio!

Com tuas armas,
Ergues-te ao panteão
Dos grandes sem nome!

E como são magníficos
Teus efeitos!
Rejubila-te de alvejar,
Com tua poderosa arma
De obuses vários,
Um encurralado e humilde animal!

Encontras, com certeza,
A glória extrema,
Ao degustares o corpo de algum ser,
Invadido e explodido
Até no tempo de morrer!

Mas, não te importunes,
Com os mesquinhos
Que não entendem a importância
De teus feitos
Mostra o que de grande
Fizeste por nossa civilização!
Mostra o ato de heroísmo
Que vem por trás de um anzol!
Que vem por trás.
De uma arma apontada
Para quem não sabe
Que estas coisas existem!
Mostra os campos vazios,
Onde até o vento sente solidão!
Mostra teus pássaros enjaulados,
Faz ver a grandeza deste ato,
Conta para todos
Tuas alegrias de fim de semana!
Dá graças a Deus pela grande caçada!
Pelos muitos cadáveres acumulados!
Recebe o beijo terno da esposa
E o abraço carente dos filhos.
Na poltrona suntuosa
Recita teus feitos de grande caçador.
Fica triste por ter matado
Uma fêmea grávida!
Fica triste pelos
Muitos órfãos selvagens,
Que deixaste em tua aventura de fim de semana.

Respira teu fumo torpe.
Enche teu estômago cruel de qualquer coisa.
Escova tuas presas civilizadas.
Monta tua esposa no meio da noite.
E dá graças a Deus por não teres nascido bicho!












 
Autor
Frederico Rego Jr
 
Texto
Data
Leituras
2120
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
CarlosCarpinteiro
Publicado: 11/12/2008 19:15  Atualizado: 11/12/2008 19:15
Da casa!
Usuário desde: 22/02/2007
Localidade: Mondeville
Mensagens: 200
 Re: AOS CAÇADORES I
Permita que retire o chapéu
Que as palavras digam e as ideias avancem
Assim talvez, duvido no entanto, as crianças de amanhã possam admirar o que nos encantou ontem.
...e que dizer da caça ao homem?
Um abraço