https://www.poetris.com/
 
Contos : 

História de Maria Flor - Parte X (Final) – Morte

 
Tags:  solidão    morte    limbo  
 
História de Maria Flor
by Betha M. Costa

Parte X (Final) – Morte

A perda de Ubiracy e o fato de estar com AIDS tiraram-me a vontade viver. Não ligava para o que seria da minha filha ao nascer. Grande depressão apossou-se de mim. Fui enfraquecendo dia a dia.

Via o sofrimento estampado no rosto de Dinah que a essa altura era uma mãe zelosa. Mas, já era tarde para nós duas... Nada mais importava...

A menina nasceu com problemas respiratórios, prematura de oito meses. Soropositiva para Sida recebeu todos os cuidados possíveis. Apática, eu nem quis vê-la: voltei para casa e passei a não tomar os medicamentos.

Enquanto Dinah desdobrava-se entre o hospital para acompanhar a neném e a casa para dá-me assistência, eu definhava com náuseas, vômitos e dores no corpo, além de uma tosse que incomodava o sono.

Com um mês de vida a menina veio para casa pelos braços e cuidados de Dinah. Nos meses subseqüentes ela teve uma doença atrás da outra, enquanto o meu estado piorava com uma pneumonia por Pneumocystis carinii.

Tempo depois, aos vinte anos, eu morri vítima de complicações da AIDS que não tratei. Aqui do limbo vejo e invejo o amor com o qual Dinah cuida da neta batizada de Maria João Lins, filha de Maria Flor Lins e de pai desconhecido.
 
Autor
Betha Mendonça
 
Texto
Data
Leituras
700
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 29/08/2009 15:57  Atualizado: 29/08/2009 15:57
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: História de Maria Flor - Parte X (Final) – Morte
Li sua "novela" até ao fim, preso ao aparecimento de novos capítulos, como fazia minha mãe quando comprava literatura de cordel, vendida em fascículos. O final me deixa sempre triste, afeiçoados que ficamos aos personagens. Mas também permite respirar para diser que os temas fortes que escolheu, são um espelho de uma sociedade que fugiu de si (alienada). Fez bem em lembrar com o vigor da sua escrita vibrátil e sofrida. Gostei muito.

Bjins
arfemo