Poemas : 

Astrum

 
Astrum

Pelas portas do olhar
Esperava a tarde inteira
Por qualquer coisa
Que fosse diferente
Daquilo que tencionava
E pensava em ondas
Flutuando no tempo
As vezes sentia-se
Areia ao vento
E ao compor-se
Só uma ampulheta vazia
Achava que o poema quebrara a perna
Já não andava na cabeça das pessoas
Poemas tão leves
Indo e vindo, velozes
E quando ainda rascunhos
Brisas já os carregavam
Formando, em algum lugar
Estrofes, que escapavam de suas mãos
E nas tardes mais cinzentas
Recebia e musicava
Versos escritos pelos
Punhos da imaginação

Ricardo Villa Verde

 
Autor
VillaVerde
 
Texto
Data
Leituras
626
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 07/09/2009 01:38  Atualizado: 07/09/2009 01:38
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14852
 Re: Astrum p/ VillaVerde
Olá Ricardo

Primeiro poema teu que leio
e gostei da forma que escreve
Lindo poema

beijinhos no coração