https://www.poetris.com/
Herberto Helder : Se houvesse degraus na terra...
em 11/10/2011 14:42:37 (5808 leituras)
Herberto Helder


Se houvesse degraus na terra e tivesse anéis o céu,
eu subiria os degraus e aos anéis me prenderia.
No céu podia tecer uma nuvem toda negra.
E que nevasse, e chovesse, e houvesse luz nas montanhas,
e à porta do meu amor o ouro se acumulasse.

Beijei uma boca vermelha e a minha boca tingiu-se,
levei um lenço à boca e o lenço fez-se vermelho.
Fui lavá-lo na ribeira e a água tornou-se rubra,
e a fímbria do mar, e o meio do mar,
e vermelhas se volveram as asas da águia
que desceu para beber,
e metade do sol e a lua inteira se tornaram vermelhas.

Maldito seja quem atirou uma maçã para o outro mundo.
Uma maçã, uma mantilha de ouro e uma espada de prata.
Correram os rapazes à procura da espada,
e as raparigas correram à procura da mantilha,
e correram, correram as crianças à procura da maçã.



“A Faca Não Corta o Fogo”, Súmula & Inédita (2008)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/10/2011 15:19  Atualizado: 11/10/2011 15:19
 Re: Se houvesse degraus na terra...
Herberto Helder mete o surrealismo no bolso e passeia-se com ele.

Este poema é um sonho de vida.

Leio-o no meu livro de cabeceira: O Ofício Cantante.

Gostei de o ler por aqui.

Um abraço.

Links patrocinados

Visite também...