Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

227 visitantes online (143 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 3
Leitores: 224

Maryjun, T.Nascimento, Amora, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Poemas -> Saudade : 

Quando eu morrer

Tags:  morte    saudades    pai  
 
Quando eu morrer...
Que seja sem aviso,
Que seja breve e bem longe de olhares.
Porque eu não quero ter que ouvir de alguém o tempo que me resta.
Um,
Dois,
Três meses para viver à pressa.
Não!
Que seja breve!
Não quero ter tempo para despedidas,
Telefonemas consecutivos,
Ter a pressa,
De novo a pressa,
De contar aos amigos.
Não quero ter que pedir à minha esposa
Que cuide bem dos meus filhos,
Que arranje um marido.
Não quero ter que reuni-los
E um a um lhes fazer um pedido.
"Cuida dos teus irmãos".
Não quero ir assim,
Escondendo aos netos.
Não quero ter que ouvir os talheres à mesa,
O silêncio,
Ver lábios tremendo,
Olhares desviando.
Não quero ter a família me limpando a casa,
Fazendo o pouco que podem fazer por mim.
Não!
Não quero ficar olhando para a televisão,
Vendo o jogo da jornada,
A novela que já não diz nada,
Sentir o quanto insignificante tudo se torna de repente.
Ver o meu futuro.
Não, não quero ter que ir trabalhar para pagar
Os medicamentos e cada prego do meu caixão.
Não quero chegar à terceira semana de "vida" em que tudo é câimbra,
Em que o ar não chega e a dor não passa
E pedir morfina,
Cura e sentença.
Meter cunha e pedir ao filho
Que a vá buscar à pressa.
Pois há pressa.
Ver meu amigo condoído,
Chorando,
Me injectando,
Consciente do perigo.
Ambulâncias.
Noite que nem imagino.
Madrugada.
Premonição.
Dia de visita.
Desorientação.
"Senta-te".
"O Pai morreu".
Como pode?
Não!
Não quero isso!
Quero morrer bem longe.
Que ninguém me encontre.
Não quero voluntários para reconhecer meu corpo.
"Meu Deus! Pai?!"
P'ra quê?
Não!
Não quero velório.
Fato velho e caixão pobre.
Onde tudo é amarelo, algodão e morte.
Onde o silêncio só se quebra com uma mão no peito (como que cobrando vida)
E o choro de um adulto.
Foto em café,
Hora marcada,
Gente de pé,
A corda levando,
Uma mão de terra,
Uma pá de terra,
Dez pás de terra,
Um monte inteiro de terra pelas mãos de um estranho,
A pedra tapando,
As flores rodeando,
O regresso a casa,
Um nó me apertando,
A roupa dobrada,
A prateleira meia de leite vitaminado,
(Que não serviu para nada)
Um sem fim de saudade
A lágrima que não me lembro de ter chorado.



TDM


Autor
TrabisDeMentia
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
Perfil no Google+
 
Texto
Data
Leituras 7174
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
1
0
1
Recentes
osrev od osrever O
Encontro fatal
Jura-te
Ao fundo
Crise de identidade
Aleatórios
E acordar
Remexendo o passado
Ela
Ainda me dois
Lágrimas
Favoritos
imaginas-me já morta - Alexis
Porque não lês os olhos que se abrem á tua volta - lobodaescrita
31 de boca - Sterea
gosto - aquazulis
pêssego - Propoesia
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Junior A.
Publicado: 07/02/2007 20:14  Atualizado: 07/02/2007 20:14
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2006
Localidade: Mg
Mensagens: 894
 Re: Quando eu morrer
É...
Muito fiquei a pensar.
E de tudo que não espero de minha morte
Seria esta desventura, de planejar.
Quero que ela( a morte), chegue no repente
E que me seja um contente, descansar...
Não quero deixar poemas, que digam
Aquilo que espero que me seja
Este dia que a tantos fadigam
Que se tira a vida, o sonho, que almeja.
Quero poder acordar, e assim morrer
Ou quem sabe me deitar,
E não mais amanhecer.
É isso que quero, e lhe desejo sorte
Que se fique um riso á ver
Até amigo, a morte!

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 07/02/2007 21:16  Atualizado: 07/02/2007 21:16
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14617
 Re: Quando eu morrer p/ TrabisDeMentia
Querido poeta, você conseguiu com seu poema me emocionar profundamente, que até uma lágrima desceu sobre minha face...
Sei que este é um assunto triste, mas assim é a realidade....Gostei de sua franqueza...Apesar de ser triste ter que pensar no que não queremos já que a morte é certa...
Beijinhos na alma

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/02/2007 23:36  Atualizado: 07/02/2007 23:36
 Re: Quando eu morrer
tudo o que nao queres, mas alguma coisa que se dejesa na morte. Ha algo que nos desejamos sempre morrer com honra, dignidade e depressa. Mas o que importa morreremos sempre, será que vale a pena desejar? Pois ela é sempre repentina, e nunca pede licença. Mas se um dia poder escolher espero que seja rapida e silenciosa. Abraço.

Enviado por Tópico
Le Tab
Publicado: 08/02/2007 00:04  Atualizado: 08/02/2007 00:04
Membro de honra
Usuário desde: 02/02/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 1460
 Re: Quando eu morrer
tudo o que nao queres, mas alguma coisa que se dejesa na morte. Ha algo que nos desejamos sempre morrer com honra, dignidade e depressa. Mas o que importa morreremos sempre, será que vale a pena desejar? Pois ela é sempre repentina, e nunca pede licença. Mas se um dia poder escolher espero que seja rapida e silenciosa. Abraço.

Enviado por Tópico
Vera Sousa
Publicado: 08/02/2007 11:14  Atualizado: 08/02/2007 11:14
Membro de honra
Usuário desde: 04/10/2006
Localidade: Amadora
Mensagens: 4100
 Re: Quando eu morrer
Estou realmente... nem sei dizer como...
Este é um tema que nem gostamos de pensar, imaginar... Mas a morte existe e vem um dia bater-nos à porta.
Também quero uma morte assim... Rápida e silenciosa. Sem ter que pensar ou esperar.

Beijinhos

Enviado por Tópico
Valdevinoxis
Publicado: 08/02/2007 23:18  Atualizado: 08/02/2007 23:18
Colaborador
Usuário desde: 27/10/2006
Localidade: Aguiar, Viana do Alentejo
Mensagens: 1991
 Re: Quando eu morrer
Uma prosa? Um poema? Simplesmente um texto fabuloso com um sentido de poesia tremendo.

Valdevinoxis

Enviado por Tópico
Maria
Publicado: 14/02/2007 13:40  Atualizado: 14/02/2007 13:44
Novo Membro
Usuário desde: 23/02/2006
Localidade:
Mensagens: 8
 Re: Quando eu morrer
Existem várias formas de "chorar" nem todas são lágrimas.
Gostaria de poder dizer que adorei ler o teu poema.Não que não tenha gostado dele, na verdade achei-o fantastico!
Apenas me provocou uma dor profunda à muito esquecida no manto da saudade...na realidade acho que apenas reavivou essa dor.
É engraçado somos tão diferentes e ás vezes tão parecidos!
Que a morte beije também, meus lábios adormecidos
para que os meus olhos apenas se despeçam dos sonhos da noite...

Enviado por Tópico
TrabisDeMentia
Publicado: 14/02/2007 23:10  Atualizado: 14/02/2007 23:10
Webmaster
Usuário desde: 25/01/2006
Localidade: Bombarral
Mensagens: 2056
 Re: Quando eu morrer p/maria
Ninguém aqui no site pode ter sentido este "poema" como eu o senti ao escrever e como tu o sentiste ao lê-lo. Fi-lo à uns meses atrás numa noite de aperto e coloquei-o num site onde costumava escrever. Sempre senti alguma relutãncia em colocá-lo aqui com receio que olhos com os teus o vissem. No entanto este é um mês especial e este foi meu jeito de reavivar a lembrança... com a nossa saudade.

Enviado por Tópico
Maria
Publicado: 15/02/2007 09:59  Atualizado: 15/02/2007 09:59
Novo Membro
Usuário desde: 23/02/2006
Localidade:
Mensagens: 8
 Re: Quando eu morrer p/maria
Não deves temer os olhares dos outros, especialmente os que partilham da tua dor! São esses olhos que choram contigo em todas as vertentes do verbo chorar.
Não nos prives do prazer de ler os teus poemas com receios infundados. Só estarias a provocar uma dor maior pois a dança dos teus versos é um bálsamo para a minha ALma!
Principalmente por teres conseguido exprimir o que só ousei sufocar no peito.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 14/04/2014 14:27  Atualizado: 14/04/2014 14:27
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 5485
 Re: Quando eu morrer
Bom dia poeta, cada um de nós fantasia uma forma mais adequada de morrer, digo fantasia porque a morte é um processo, vamos morrendo inclusive enquanto laboramos estas idéias de como gostaríamos de morrer, mas o fato é que o suspiro final pode ser a qualquer momento não nos cabe controle algum sobre isto. parabéns pelo instigante enredo poético, MJ.

Enviado por Tópico
JogonSantos
Publicado: 14/04/2014 15:26  Atualizado: 14/04/2014 15:28
Colaborador
Usuário desde: 17/04/2013
Localidade:
Mensagens: 1538
 Re: Quando eu morrer
Muito bom seu poema. Muitos também desejam que assim seja para si, infelizmente não podemos escolher como e quando deixaremos esse mundo, mas penso que o importante é termos certeza que iremos para um mundo melhor de acordo com a paz que teremos em nossa consciência em nosso momento final.
sds.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 14/04/2014 19:11  Atualizado: 14/04/2014 19:11
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 8787
 Re: Quando eu morrer
Trabis
Belo texto para reflexão, mas a morte é algo tão doloroso que só imaginar já me deixa angustiada! Não faço ideia qual seria a melhor forma de partir, despedidas doem, mas mortes rápidas e inesperadas mata quem fica(traumatiza)! Beijos!
Janna

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...