Poemas : 

Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo

 
<a href="http://s780.photobucket.com/albums/yy ... istal00_2009/?action=view¤t=Fred-1.jpg" target="_blank"><img src="http://i780.photobucket.com/albums/yy ... l00_2009/Fred-1.jpg" border="0" alt="fred2"></a>
Bom. Como escrevi no comentário sobre a entrevista de Maria Verde, penso não ter tanta coisa interessante a contar, mas passo a fazê-lo aqui no intuito de me dar a conhecer a todos amigos desse sítio, que tem sido para mim um recanto de muito aprendizado.
Nasci no vigésimo terceiro dia do mês de julho do ano de 1964. Sou natural de Belo Horizonte, capital do Estado de Minas Gerais. Sou fruto de uma família simples. Minha mãe, Lina, natural de Nova Lima, cidade próxima à Belo Horizonte, era professora primária e também cabeleireira nas horas vagas e fins de semana. Meu pai, Paulo, natural de Curvelo, município situado exatamente no centro do Estado de Minas Gerais, trabalhava no comércio e era vendedor viajante. Tenho um irmão, Leonardo, que hoje reside em Curitiba no Estado do Paraná. Das lembranças da minha primeira infância as principais imagens são as que me vejo nos ombros do meu pai, passeando pelas ruas ensolaradas do bairro; a cabecinha branca da minha querida e saudosa avó Petrina, que fazia sempre questão de que me recostasse em seu colo, mesmo depois de mais velho; as idas ao estádio de futebol em companhia de minha tia Lúcia, fanática pelo Cruzeiro, time pelo qual tenho grande carinho. Meus primeiros anos de estudo aconteceram no Colégio Municipal de Belo Horizonte, numa época em que o ensino público era o que havia de melhor, realidade que, infelizmente, é hoje exatamente inversa. Aos treze anos ganhei de minha avó Petrina o meu primeiro violão e a possibilidade de começar a aprender o instrumento. Num primeiro momento não gostei da idéia, mas depois tal fato faria muita diferença. Por esse tempo comecei a conviver com alguns amigos que tocavam e também se arriscavam com algumas composições próprias. Passei a me interessar pela atividade e a estudá-la. Foi nessa fase que iniciei um contato maior com a poesia nas composições das minhas primeiras músicas. Formei juntamente com esses amigos o Grupo Morro Velho, nome retirado de uma canção do grande cantor e compositor Milton Nascimento, que exerceu sobre todos nós grande influência. Durante toda a década de oitenta tivemos um intenso convívio, fazendo apresentações, participando de festivais musicais por todo estado de Minas Gerais e também tocando pelos bares e casas noturnas da minha cidade. Foi um tempo inesquecível. Uma grande paixão por tudo isso me levou à Escola de música da Universidade Federal de Minas Gerais, onde estudei por quatro anos. Também fui funcionário da Caixa Econômica do Estado de Minas Gerais, onde ingressei por concurso público aos dezessete anos de idade. Por lá trabalhei até a extinção da entidade que aconteceu no governo do então presidente Fernando Collor de Melo. Esse fato me levou a abraçar uma oportunidade de emprego na cidade de São Paulo, onde residi por quase uma década. A passagem por lá me rendeu o reencontro com meu pai, que poucas vezes vi na infância e adolescência, e que reside por lá desde os meus sete anos, quando ele e minha mãe se separaram. Em São Paulo também aconteceu o nascimento de meu amado filho Bruno. De volta a Belo Horizonte, numa difícil situação de desemprego, tive a felicidade de conhecer e trabalhar com massoterapia, atividade a que hoje me dedico e que se tornou uma ótima profissão. Ainda estudo a matéria e também acupuntura pelo Instituto Mineiro de Acupuntura e Massagem. – IMAM. Cheguei ao Luso-poemas há quase dois anos e por aqui fiz boas amizades. Minhas poesias saíram da gaveta através do incentivo da minha querida amiga Márcia Oliveira, que eu já conhecia antes de chegar por aqui e que, um dia, ao ler alguns poemas meus, me convenceu a levá-los ao conhecimento de outras pessoas. Passei a fazê-lo e acredito ter valido à pena. Para minha surpresa estou eu aqui hoje, escolhido por uma colega inteligente e capaz, pela boa aceitação dos meus versos. Essa seria a linha mestra da minha trajetória que certamente tem agregada a si tantos outros fatos e emoções diversas.


Frederico Salvo, este mineiro talentoso, surgiu no site luso-poemas em 23 de Janeiro de 2008, dizendo o seguinte sobre si: “No meu sonho mais puro e sincero/Quis ser, inocentemente, eterno./Forte eu era. Inabalável sempre./Ao acordar, optei por ser apenas um homem.” Desde então, com mais de trezentas publicações no luso, tem encantado a todos com sua escrita talentosa e, como costumo dizer, elegante. Elegante pela escrita cuidada, clara e musical, abraçando temas universais diversos, expostos pelo seu olhar particular. Em seus poemas podemos ler algo profundamente sentimental ou saudosista, com textos sobre sua terra, sua infância, amores, amizade, paternidade, entre outros; bem como belíssimas homenagens a artistas das letras e da música como Dorival Caymmi, Drummond, Tom Jobim... A meu ver, o que concede unidade a poesia do Frederico é a busca do eu-lírico a fim de conhecer-se a si mesmo, singrando temas bastante meditativos. O passado é um assunto recorrente em sua poesia, através de reminiscências da sua infância e da sua terra natal, como observado nesses versos “Ainda somos as crianças, querida;/Que outrora fomos num recente passado./Ainda ouvimos as remotas cantigas/Agora em ritmo tropo, sincopado./ Trocamos balas, doces por prazeres/Outros, porém não menos infantis;/Fazemos birra por mortais quereres/Tão sutilmente... (nem percebo que fiz).” Frederico Salvo carrega nas veias todas as características inerentes a um grande poeta de mente criativa e produtiva que se mostra à vontade para manipular a língua e a linguagem, dentro de um suporte ideológico transparente, mas longe de qualquer lugar comum.


- Frederico, ao ler sua biografia, senti a emoção de suas palavras, ao falar da sua querida avó Petrina e mais ainda, do seu pai, com quem durante a infância teve pouca convivência, mas com momentos muitos ricos, como a lembrança que você guarda de passear pelas ruas ensolaradas de sua terra natal, sobre os ombros do seu pai. Quer nos falar dessas duas pessoas tão importantes em sua vida?

É sempre uma grande emoção falar a respeito da minha querida e saudosa avó Petrina. Mulher de coração e docilidade imensuráveis. Foi ela quem enxergou em mim a sensibilidade para a música e me deu a oportunidade de desenvolvê-la. Mesmo com sua pouca instrução era capaz de dizer grandes verdades como quando, por exemplo, bem no meio de sua oração diária, vendo algum deslize na minha imaturidade, soltava : “ Um homem mentiroso se perde em si mesmo”. Pequenos toques que acredito terem contribuído na construção de meu caráter. Em síntese era ela o centro gravitacional de toda a família. Um sol que brilhou intensamente e que mesmo depois de se pôr, ainda faz sentir a dádiva do seu calor. Quanto a meu pai, guardo muitas lembranças boas. Acontecimentos da infância, alguns poucos encontros na adoloscência, o convívio maior quando estive em São Paulo. Há entre nós atualmente uma grande amizade. Por muito tempo alimentei uma certa mágoa, por ele ter se afastado tanto, mas hoje sei que teve seus motivos. Perdoamo-nos e isso para mim representou o fim de um grande descontentamento. Registrei essa passagem há algum tempo no soneto “O cisco e a trave”.

Tive dúvidas sim. Não as escondo.
Por ter ferido à mágoa o peito ardente.
O orgulho a me prender sob os escombros
E o não, feito parede à minha frente.
Por todos esses anos, ressentido,
A esperar de ti algo que fosse
De encontro a todo tempo ora perdido,
Ao âmago da dor que a vida trouxe.
Cansado de esperar corri o risco
E fui estar contigo resignado,
Disposto a acabar com esse entrave.
E foi assim então, meu pai amado,
Que do teu olho eu tirei o cisco
E tu do meu, enfim, tiraste a trave.
[/color]

- A música para você é uma grande paixão, que como vimos, o levou a fazer “apresentações, participando de festivais musicais por todo estado de Minas Gerais e também tocando pelos bares e casas noturnas da minha cidade... Uma grande paixão...”. Sendo assim, há alguma influência desse amor à música ao mundo da poesia?

Na verdade se não houvesse a música, não haveria também a poesia. Meus primeiros versos nasceram da necessidade de aplicar imagens às melodias que fui criando no violão. Desde o primeiro momento em que aprendi a tocar alguma coisa, tive um grande impulso no sentido de compor. Ainda hoje quando me assento a burilar as cordas do instrumento me vêm melodias novas que passo então a desenvolver. Muitas jamais tiveram letra, mas outras tantas foram preenchidas pela palavra. A poesia hoje tem papel principal e faz parte do meu dia-a-dia, mas acredito mesmo que se não fosse através do viés da música não a teria desenvolvido.

- Frederico Salvo, uma das características que me sinto à vontade de atribuir a você é a escrita elegante e bem cuidada, de olhar amplo sobre a vida e os homens, sendo o soneto uma das formas mais usuais de sua poesia. Podia nos falar um pouco disso?

Gosto particularmente do soneto, pois, além de uma bela forma estética de se fazer poesia é também, para mim, uma grande brincadeira. Um desafio. Quando alguma situação desperta meus sentidos, passo a desenvolvê-los em versos, visando satisfazer as rimas e à métrica. Além de uma boa forma de me expressar é também um grande passatempo. O conteúdo é sempre aquele que mexe profundamente com a maioria, mas que vão transcorrendo pela vida como se fossem naturais. A desigualdade entre os homens, a hipocrisia, o desamor à natureza e a nossa insistência ocidental de nos vermos à parte dela, a incoerência do ser humano frente às necessidades impostas pela vida real. Há também, como não poderia deixar de ser, o tema maior de quase todos nós poetas: o amor. Gosto também de me aventurar pelo erotismo às vezes. Esse aqui descreve bem o exercício da composição dos sonetos. Deixo como complemento à minha resposta.
OS QUATORZE VERSOS

Bem aqui nessa caixa hermética
Cabem sonhos, idéias e amores.
Cá dentro dessa forma estética
Avizinham-se risos e dores.
No ígneo cadinho da vida
Liquefaz-se a verdade que somos
E aqui a matéria escolhida
Se reparte em pedaços ou gomos.
Apesar de restrito o espaço
Trago sempre atada num laço
Toda a trama a que me comprometo.
Cabe assim esse mundo inteirinho,
(Como um odre a conter todo o vinho)
Nos quatorze versos do soneto.


- Frederico, do que se alimenta a sua escrita? Ou seja, sua poesia se inspira em algum poeta que você admira? Também pode nos dizer em que ponto sua vida e sua obra se confundem?

O grande compositor Antônio Carlos Jobim dizia ouvir pouca música para que sua inspiração não sofresse demasiada influência e pudesse, dessa maneira, chegar-lhe clara e com naturalidade; para que realmente tivesse a sua “cara”.Sei que bebeu na fonte de Heitor Villa-Lobos, principalmente, além de outros grandes da música popular brasileira. Mas, sem sombra de dúvidas, a música do Tom tem sua assinatura. Quem ouve uma melodia composta por ele, quase que de imediato sabe tratar-se de uma obra sua. De certa forma tento fazer assim também. Apesar de admirar sobremaneira poetas como Fernando Pessoa, Manuel Bandeira, Olavo Bilac, Vinícius de Moraes, Mário Quintana, dentre outros, quase nunca me inspiro em um deles para fazer meus trabalhos. Deixo vir espontaneamente e acredito que consiga dar aos meus poemas um traço pessoal que os caracterizam. Sobre a segunda parte da pergunta, posso afirmar que é tão tênue a linha que separa o cidadão do poeta que nem sei qual deles está a lhe responder agora.

- Uma questão que acho de suma importância, e sendo assim, não poderia deixar de fazê-la, diz respeito ao seu olhar sobre a sociedade. O que você tem a nos dizer sobre o mundo e as pessoas?

Acho sinceramente que a maioria de nós se distancia de si mesmo para viver em sociedade.A luta pela dignidade, a necessidade imediata de provir o amanhã, muitas vezes nos leva por caminhos tortuosos que, ao serem trilhados, passam distante daquilo que verdadeiramente gostaríamos de ser e viver. Ao tentarmos “voltar” para perto de nós mesmos, nos vestimos de egoísmo na busca do acúmulo, dos bens materiais, para que, num hipotético dia, possamos enfim, resguardados por tudo isso, estar na pele daquele que sonhamos outrora e que, de certa forma, se perdeu no turbilhão que o mundo faz. E acho que por sermos assim o mundo é o que todos sabemos que é. Pelo menos para mim a poesia significa um passo na busca desse reencontro. Meu trabalho hoje também me leva nessa direção. Levo uma vida muito mais simples de que alguns anos atrás. Tenho me sentido melhor assim.

- O que o espaço-luso poemas é para você, qual a importância ou contribuição que esse espaço literário tem em sua escrita?

Tirei meus poemas da gaveta e os trouxe para cá, descobrindo que, a despeito de minhas dúvidas sobre a qualidade deles, muitos gostaram e ainda hoje me elogiam. Fico muito feliz por isso e tendo então a querer dar continuidade a essa atividade. Escrever é uma forma de trazer à luz o que me vai no íntimo, o que proporciona grande satisfação. Portanto o Luso tem sido muito importante, visto que aqui, sob olhar de pessoas que como eu gostam e vivem poesia, tenho a oportunidade de dar continuidade a esse exercício. Também não posso deixar de dizer a respeito das boas amizades que fiz. Pessoas que mesmo de maneira virtual, passaram a ter grande importância na minha vida. Ressalto ainda o fato de que nosso contato com as pessoas segue por um caminho inverso ao convencional, mas muito saudável e interessante. Nesse espaço nossa alma é que se dá a conhecer primeiro e isso a meu ver, é razão que minimiza em boa parte certos tipos de preconceitos.

- Como é de praxe. Qual o livro ou autor preferido? Filme preferido? E música preferida?

Puxando a memória me vêm os seguintes livros: Vida secas de Graciliano Ramos; Médico de homens e almas de Taylor Caldwell; Dom Casmurro de Machado de Assis; Sagarana de Guimarães Rosa; O grande mentecapto de Fernando Sabino; Budapeste de Chico Buarque de Holanda; ... são os que me vieram no momento.

Com relação aos filmes, posso citar: Um sonho de liberdade, do diretor Frank Darabont, onde os atores Tim Robbins e Morgan Freeman, dão um show de interpretação. Outro que marcou muito foi Papillon com os grandes Steve MacQueen e Dustin Hoffman; Outro ainda: A lista de Schindler de Steven Spiellberg.

Vou citar duas canções preferidas. Uma onde há apenas melodia, aliás um dos temas mais bonitos que já ouvi e que se chama Day dream. Faz parte do repertório do álbum Togethering, onde tocam juntos o guitarrista Kenny Burrell e o saxofonista Grover Washington Jr. A outra, uma gravação antológica do meu compositor preferido, Tom Jobim, onde ele canta com a saudosa “Pimentinha”, Elis Regina: Águas de março.


- Frederico, quais suas ambições e sonhos para o futuro?

Envolvi-me de forma muito intensa com a massoterapia. Trabalho nessa atividade já há cinco anos. Descobri que proporcionar bem-estar à outras pessoa através do toque é uma das melhores coisas que já fiz na vida. Por isso pretendo continuar me aprofundando nos estudos a respeito da Medicina Tradicional Chinesa, que é a linha com a qual trabalho, e ser um melhor profissional a cada dia. Também pretendo retomar o caminho da música que ficou um pouco de lado nos últimos anos e que é uma das maiores paixões da minha vida. Tenho sonhado também com a possível publicação de um livro de poesias, já que através dela tenho aprendido a me conhecer melhor. Enfim minha preocupação maior não é exatamente com o futuro, mas sim a de viver um presente com qualidade e fazendo por acrescentar, não só à minha, mas a vida de todos aqueles com quem convivo. Seja no real ou no virtual. Para finalizar quero deixar aqui, já que falei bastante sobre música, a gravação de uma composição minha. Rochedo fica como um presente meu a todos os amigos desse maravilhoso espaço que é o Luso-poemas. Foi um imenso prazer poder abraçar essa oportunidade.

- Quem é o teu luso do mês de novembro?

Meu poeta-luso do mês de novembro, não só pelos textos, mas também pela simpatia, é a amiga Betha M. Costa. Espero que ela aceite e possa nos dar a conhecer um pouquinho mais de si.


o mais importante não se conta, se constrói com o não dito, com o subentendido, a alusão”. (Piglia)[/color][/color]

 
Autor
Maria Verde
 
Texto
Data
Leituras
2151
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
63 pontos
45
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ÔNIX
Publicado: 01/10/2009 11:56  Atualizado: 01/10/2009 11:56
Membro de honra
Usuário desde: 08/09/2009
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2683
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Embora já conhecesse parte do percurso e do curriculum de Frederico que merece a minha estima e a minha consideração, gostei de saber um pouco mais e que o tivesses escolhido.

beijo

Matilde D'Ônix


Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 01/10/2009 12:02  Atualizado: 01/10/2009 12:02
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 10301
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Parabéns Frederico pela
entrevista, por nos mostrares
o outro lado do Poeta.
A ti; Maria, igualmente felicitações
pela forma como conduziste a entrevista.
Vóny Ferreira


Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 01/10/2009 13:09  Atualizado: 01/10/2009 13:09
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2022
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Maria Verde, parabéns pela escolha e entrevista.

Frederico, agradeço por compartilhar da sua vida, agradeço pelo carinho que tem por minha filha Marina e por ser uma pessoa autêntica, sincera e honesta. Desejo-lhe bastante sucesso em sua vida.

Sua escolha me alegra muito, tenho certeza que a "madrinha" irá aceitar sorrindo.

Um forte abraço pra todos.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/10/2009 13:22  Atualizado: 01/10/2009 13:22
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Eita minero dus bão sô! rss.
Pois é meu querido amigo Frederico. Frederico; nome que gosto de pronunciar em voz alta, é homônimo do meu filho mais velho, o mais novo é Leandro que é fisioterapeuta especializado em hidroterapia, mais ou menos da sua área profissional. Sensibilidade e cuidado extremo na recuperação física e emocional das pessoas, muito nobre isso.
É um mistério a gente gostar das pessoas até mesmo sem conhecê-las pessoalmente, sem saber dos pormenores, foi o que aconteceu comigo em relação a ti. São poucos os que tem o meu sorriso e meu abraço, seja virtual ou pessoal, mas tomo-os como meus; Amigos. Simpatia num zás. Aí quando passamos a conhecê-las mais profundamente, como hoje nesta sua entrevista, vem o sorriso de alegria por eu não ter me enganado. Deixaste vir à tona nas suas declarações, o ‘quê’ especial que alimenta toda a sua sensibilidade artística, o seu caráter ilibável e o peso que tem suas ações como pessoa. Pois como poeta, temos somente que continuar a aplaudi-lo.
Tu é o cara! Agora o prazer ficou ‘mais grandes’ em conviver contigo aqui nesse mar de poesia. Parabéns poeta, bela entrevista.
Parabéns também pela escolha da poetisa Betha M. Costa, para nossa entrevistada do mês de outubro.
Minha mana Maria verde, parabéns também pra você pelo trabalho irreparável, traço inconfundível.
Aos três o meu fraterno abraço e um grande beijo Carioca.
Silveira


Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 01/10/2009 13:51  Atualizado: 01/10/2009 13:51
Colaborador
Usuário desde: 30/06/2009
Localidade:
Mensagens: 6699
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Maria,
A tua escolha foi acertada pela história de vida e literária do Frederico Salvo.Entrevista bem conduzida, respondida com a serenidade e equilíbrio comuns a ti ao entrevistado.Parabéns a ambos!
Ao Frederico agradeço de coração a indicação do meu nome e por PM conversarei com ele a respeito.
Bjins, Betha.


Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 01/10/2009 15:24  Atualizado: 01/10/2009 15:24
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4705
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Um prazer ouvir o Frederico através da Maria Verde,
poetas que admiro há tempos e com os quais tenho orgulho de dividir esse espaço.

Parabéns grande poeta mineiro, pelo destaque tão merecido!

Beijos


Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 01/10/2009 15:42  Atualizado: 01/10/2009 15:42
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7238
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Fred!esperei ansiosamente por este dia!o dia em que poderia descobrir um pouco mais sobre ti e a tua poesia!o dia que com todas as letras te pudesse dizer,cheia de felicidade:PARABÉNS!tu sabes como aprecio o que escreves e como,não sei bem como nem porquê,te intui como uma pessoa a quem desejei chamar amigo.a minha intuição raramente me engana.um abraço apertado para ti!Obrigada mariaverde,pela tua escolha e maravilhosa entrevista!
fico agora à espera da betha a quem dou desde já os parabéns.
beijos,
alex


Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 01/10/2009 16:02  Atualizado: 01/10/2009 16:02
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4246
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Gostaria de parabenizar mais uma vez o Fernando
que proporciona a todos nós lusos um aproximar
de poetas através dessas entrevistas.
Frederico obrigada por partilhar um pouco de si.
Maria Verde, excelente a forma com que conduziu
a entrevista.
E Frederico parabéns pela escolha da próxima
entrevistada, Betha Costa, merecedora já há muito.

Beijos e parabéns a todos!


Enviado por Tópico
Conceição Bernardino
Publicado: 01/10/2009 16:07  Atualizado: 01/10/2009 16:07
Usuário desde: 22/08/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 3357
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
os meus sínceros parabéns Frederico Salvo.

beijo


Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 01/10/2009 16:24  Atualizado: 01/10/2009 16:24
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Parabéns:
à Maria Verde, pela sua escolha e excelente entrevista, que nos deu a conhecer um grande companheiro do Luso;
ao Frederico Salvo, poeta que aprecio e amigo, ainda que virtual, mas atento ao que se passa em redor e aos outros;
à Betha Costa, óptima escolha, e querida amiga.
ao Luso, que tem nesta iniciativa uma boa oportunidade de mostrar as suas potencialidades, de uma forma construtiva;
obrigado a todos.

arfemo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/10/2009 23:33  Atualizado: 01/10/2009 23:33
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Aqui fica expressa a minha admiração e apreço pelo Frederico Salvo e o meu aplauso para Maria Verde.

Abraços


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 02/10/2009 00:05  Atualizado: 02/10/2009 00:06
Membro de honra
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11092
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
A Maria soube fazer uma excelente escolha.
O Fred é um verdadeiro homem das artes e um poeta e amigo que muito estimo e por quem tenho uma enorme admiração.
A tua entrevista, Maria, só veio aumentar o enorme apreço que tenho pelo Frederico.
Um beijo aos dois grandes poetas desta casa.
Nanda


Enviado por Tópico
Fhatima
Publicado: 02/10/2009 12:30  Atualizado: 02/10/2009 12:30
Membro de honra
Usuário desde: 12/02/2008
Localidade: Joinville - SC
Mensagens: 3336
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Parabéns Maria Verde pela excente entrevista, e ao Frederico fiquei conhecendo um pouco mais sobre esse poeta de grande talento, os meus aplausos aos dois grandes poetas que escrevem de forma grandiosa.

Fhatima


Enviado por Tópico
poesiadeneno
Publicado: 02/10/2009 14:26  Atualizado: 02/10/2009 14:26
Colaborador
Usuário desde: 27/06/2009
Localidade:
Mensagens: 1405
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Maria,

Inteligente a forma pragmática como conduziste a entrevista.Ficámos a conhecer,outras facetas, do poeta Frederico Salvo.Estão ambos de parabéns.



Abraços.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 02/10/2009 18:13  Atualizado: 02/10/2009 18:13
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Muito merecida a escolha de Fred Salvo. Gosto muito do seu estilo, da sua poética limpa, reflexiva, em tons saudosos e moderados. Maria verde conduziu de maneira muito acertada a entrevista, que nos levou a conhecer bem o fred.
Parabéns pela entrevista!
Parabéns à Betha!
Um forte abraço a todos.
Edilson


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/10/2009 00:10  Atualizado: 03/10/2009 00:10
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
sinceros parabéns ao Fred e á verdinha.

Beijo azul e até sempre!

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 03/10/2009 00:32  Atualizado: 03/10/2009 00:32
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14852
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Caro poeta Frederico

Obrigada pela partilha de sua vida íntima
nesta bela entrevista, gostei de o conhecer
mais um bocadinho. Gosto da sua poesia...
E vejo que é uma boa pessoa, todos que trabalham
em prol do bem estar de outros sempre o são...
Parabéns pela entrevista e para Maria pelo
cuidado de o convidar para esta partilha

Beijinhos a ambos


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 03/10/2009 02:57  Atualizado: 03/10/2009 02:57
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18321
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Maria, uma escolha tão bem acertada essa sua.
Frederico conheço sua escrita e admiro e agora poder conhecer um pouco mais é um presente a todos.
Parabéns aos dois.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/10/2009 23:19  Atualizado: 03/10/2009 23:19
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Uma bela entrevista de um poeta que vive na minha cidade (Belo Horizonte) e que além do mais é um excelente escritor. Parabéns pela escolha feliz, Maria, e muitos parabéns ao Frederico pela presença importante neste site.
Abraços,
Sandra


Enviado por Tópico
António MR Martins
Publicado: 06/10/2009 09:05  Atualizado: 06/10/2009 09:05
Colaborador
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Ansião
Mensagens: 5058
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Para a Maria e para o Frederico as minhas felicitações por nos oferecerem este excelente depoimento.
São dois excelentes intervenientes da escrita nesta casa. Autores que admiro. E a escolha do próximo Luso (Betha), pelo Frederico, só vem demonstrar a minha admiração.

Parabéns a todos!...

Beijos e abraços


Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 11/10/2009 12:13  Atualizado: 11/10/2009 12:13
Membro de honra
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 3149
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Uma vida feita de palavras, soltas notas de música que embelezam o prazer de viver, típico dos povos latinos e, de sobremaneira, dos Brasileiros, são a definição que tiro da pessoa e do poeta Frederico Salvo. É um prazer conhecer tão nobre pessoa, que venha a Betha.

Iguais parabéns à Maria pela luxuriante entrevista.


Enviado por Tópico
FatinhaMussato
Publicado: 16/10/2009 01:54  Atualizado: 16/10/2009 01:54
Colaborador
Usuário desde: 17/11/2007
Localidade: Jales (SP / BR)
Mensagens: 2051
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Parabéns, Frederico, por ter sido escolhido o Luso Do Mes e A ti Maria Verde, por ter feito tão acertada escolha!
Adorei conhecer a história de vida do Frederico, poeta que admiro e de quem sou fã!

Paz e Luz aos seus corações!

Fatinha.


Enviado por Tópico
Ibernise
Publicado: 16/10/2009 20:46  Atualizado: 16/10/2009 20:48
Colaborador
Usuário desde: 04/10/2007
Localidade: Indiara(GO)
Mensagens: 1460
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Olá Fred, é um grande prazer estar aq p congratular-me por esta justa homenagem. Conhecê-lo melhor saber sobre o homem singular que move a poesia. Parabéns por esta vitória, entre nós e para o mundo.Eu recomendo.

Bjs

Ibernise

Enviado por Tópico
ROMMA
Publicado: 17/10/2009 21:47  Atualizado: 17/10/2009 21:47
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade:
Mensagens: 2460
 Re: Meu luso do mês de outubro é Frederico Salvo
Parabéns Salvo,
belo texto em sua honra.
Um destaque excelente
que me agradou imenso ler.
Deixo um abraço
e beijinhos á Maria
por esta linda escolha.
Muito Bom! :)