https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Anjo em Flor

 
Perdoa, tu que juras-te!
Perdoa, tu que és Flor!
Tu que juras-te fazer correr
Pelo meu rosto as tuas lágrimas
Perdoa-os que não sabem o que dizem!

E choro hoje mais do que ontem
Por ver tanto Kant julgar pensar
Ou tanta Pessoa julgar escrever
E vejo que nenhum deles aperta ao seu peito hipotético
Nem um sonho como Álvaro pôde apertar.

Pois ser poeta é ser tudo o que dizes - Flor
É sentado numa poltrona de uma cor por definir
Abrir janelas do seu quarto, abri suas janelas
E voar!

Voar apertando todo o mundo de uma só poltrona
Chorar toda a tristeza, num só sorriso
Matar a morte, numa só linha
Com um único tiro preciso!

De um tiro certeiro
Fazer de si infinito
Com um verso imperfeito
Agarrar o mundo num só grito!

Viver assim para sempre
De um jeito meio escrito
E de outro não dito

É ser tristemente infeliz
Por todos os defeitos do mundo carregar
Na pele de embaixatriz
Daqueles que não sabem parar de pensar

É ser Flor que vinga num jardim empestado
Por uma corrente de fumo sem Fado
É ser tu, é voar sobre o Tejo e o Sado
É ser anjo alado!

 
Autor
Rui_Valdemar
 
Texto
Data
Leituras
621
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.