https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Ardor que basta mas não a Poesia

 
 
Ardor que basta mas não a Poesia
 
Ardor que basta, mas não a poesia.
E a poesia que do sofrimento
Resulta neste mesmo dia-a-dia,
Condena meu intelecto, julgamento!

Meus olhos espigados de cansaço
Ditam o horizonte tão alaranjado,
Na Terra não encontro mais o meu espaço!
Mas o poder já está mais que alagado.

E mesmo louvando às almas do céu,
Só a recusa recebo desse teu
Vácuo dessa tua terra obscura.

E já nada mais me basta que ver
O tempo que não vejo sem o ter…
Só o sofrimento escuro então perdura.

António Botelho


Há muito que meus tons melódicos poéticos não se gesticulam em escrita ou sapiência mental, pois eis que o amor chegou e a poesia abafou...

 
Autor
antóniobotelho
 
Texto
Data
Leituras
626
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.