https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

ignoro

 
Tags:  introspecção  
 
ignoro
o movimento previsto o rigor cientifico do viajar das nuvens
que vejo sobre o rio desta janela fronteiriça
em que me assomo

a olho nu parecem-me
bordaduras títeres, aguarelas vicentinas,
esbatidas a ponto sombra em azul maior

sei apenas
de um cais
onde as águas altas
apodreceram as ripas e as amarras

donde não saem nem retornam barcos

por vezes sei dos meus olhos cansados …
e deste olhar perdido em trocadilhos e metáforas.


MT.ATENÇÃO:CÓPIAS TOTAIS OU PARCIAIS EM BLOGS OU AFINS SÓ C/AUTORIZAÇÃO EXPRESSA

 
Autor
Mel de Carvalho
 
Texto
Data
Leituras
3255
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
39 pontos
11
2
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/07/2010 16:41  Atualizado: 27/07/2010 16:41
 Re: ignoro
o tempo nos faz pensar nos nossos abandonos, nas nossas perdas. pudéssemos conservas a nossa vida numa marina em aquarela...
que alegria foi esta surpresa; você aqui...

um beijo e afeto, Mel.

zésilveira


Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 27/07/2010 16:43  Atualizado: 27/07/2010 16:43
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: ignoro para meldecarvalho
por vezes também sei dos meus olhos cansados.e também ignoro tudo o resto.

um beijo sentido.e espero ver-te por cá mais vezes.são tão poucas as que apareces...

alex


Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 27/07/2010 17:01  Atualizado: 27/07/2010 17:01
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: ignoro
A sua presença deixa-me feliz. Tanto mais que regressa plena de ânimo e talento. Sinais afirmativos de que vamos ter mais poemas seus com o quilate de sempre?

Parabéns.

Bj

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/07/2010 17:02  Atualizado: 27/07/2010 17:02
 Re: ignoro
Boa tarde querida amiga. Boa tarde poesia.
Beijo grande e aparece mais vezes. Sentimos todos a tua falta.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 27/07/2010 17:53  Atualizado: 27/07/2010 17:53
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: ignoro
Sempre um prazer lê-la.
A saudades já se faziam sentir da sua
bela poesia.
Um abraço, Mel

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 27/07/2010 18:33  Atualizado: 27/07/2010 18:33
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4571
 Re: ignoro
Ola Melinha

O cansaço trnsformado em poesia unica
Fazes falta aqui na lusos poetisa, tens que aparecer mais vezes.

Beijinhos
Tudo de bom para ti

Enviado por Tópico
EMontepuez
Publicado: 27/07/2010 21:33  Atualizado: 27/07/2010 21:33
Da casa!
Usuário desde: 10/04/2010
Localidade: Grande Lisboa
Mensagens: 249
 Re: ignoro
e neste poema nada está perdido e é impossível ignorar...
a beleza poética
a construção de imagens
a profundidade de cada traço desenhado no poema
e a intensidade, quase insana ou quase voraz, com que se deixa a leitura…

um momento magnífico!

Um abraço
Eduardo

Enviado por Tópico
Ledalge
Publicado: 08/10/2010 01:18  Atualizado: 08/10/2010 01:18
Colaborador
Usuário desde: 24/07/2007
Localidade: BRASIL
Mensagens: 6880
 Re: ignoro
Olá Mel,

Saudades de ti. Tens um poema altamente elaborado, com muitas questões para reflexão. As metáforas estão delicadamente trabalhadas.

Um beijo

Núria

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 10/07/2016 10:20  Atualizado: 10/07/2016 10:20
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: ignoro
Um “olhar perdido em trocadilhos e metáforas” que não ignora que o poema é um cais de onde saem e retornam os olhares ávidos dos leitores.
Sei que este cais é de um “azul maior” e que as suas “águas altas” me inundam de “bordaduras títeres” e “aguarelas vicentinas”. Não há lugar para apodrecimento de versos ou imagens porque este “viajar das nuvens” nos leva além do “rigor científico”, abrindo-nos uma “janela fronteiriça” que nos conduz a um movimento imprevisto, sem rumo, sem rota, por dentro de nós…
Um belo poema!