https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 ... 32 »
Offline
Mel de Carvalho
ignoro
ignoro o movimento previsto o rigor cientifico do viajar das nuvens que vejo sobre o rio des...
Enviado por Mel de Carvalho
em 27/07/2010 16:32:26
Offline
Mel de Carvalho
beijo de Crisfal
são duros agora o tempo embaciou o espelho onde me via formosa e bela e as sea...
Enviado por Mel de Carvalho
em 20/01/2010 13:34:39
Offline
Mel de Carvalho
O relojoeiro sem tempo
Eram dele todos os relógios. Não as horas, dizia amiúde para quem o quisesse ouvir. Dizia-o por ...
Enviado por Mel de Carvalho
em 19/01/2010 15:59:02
Offline
Mel de Carvalho
o órgão do mar
por vezes quando caminho sobre as pedras da beira rio que se rasgam sob os passos interrogo a t...
Enviado por Mel de Carvalho
em 13/11/2009 17:19:03
Offline
Mel de Carvalho
"O seu a seu dono ..."
“O seu a seu dono“, sempre ouvi dizer, mas, neste momento em que os valores da ética e do respeit...
Enviado por Mel de Carvalho
em 08/07/2009 09:23:43
Offline
Mel de Carvalho
rubro
ainda o rubro. das papoilas, das rosas, das amoras. e das cerejas vindouras. e das telhas lusas...
Enviado por Mel de Carvalho
em 01/02/2009 21:05:34
Offline
Mel de Carvalho
faixa de gaza
Nas janelas os vidro baços e sobre o muro de pedras derrocadas avencas secas no súbito esgar da ...
Enviado por Mel de Carvalho
em 08/01/2009 10:47:33
Offline
Mel de Carvalho
... poema perfeito!
um dia hei-de escrever um poema perfeito na inquestionabilidade matura dum raio de sol a dilace...
Enviado por Mel de Carvalho
em 31/12/2008 11:47:01
Offline
Mel de Carvalho
na hora em que pássaros se levantam
na hora em que pássaros se levantam [dos barros já desgastados e ence...
Enviado por Mel de Carvalho
em 11/12/2008 10:19:07
Offline
Mel de Carvalho
(de)canto
(de)canto-te em lágrimas albumes de saudades (embrionário alimento) futuros ausentes nas m...
Enviado por Mel de Carvalho
em 25/11/2008 11:00:36
Offline
Mel de Carvalho
coreografia de gestos
o Inverno, de mansinho volta, no redemoinhar das folhas amareladas por sobre pedras de calçada e...
Enviado por Mel de Carvalho
em 18/11/2008 20:21:51
Offline
Mel de Carvalho
searas outras ...
claustrofóbica fobia outra que s’ acasala in vítreo ao verbo porfiado em mênstruo de vértebras ...
Enviado por Mel de Carvalho
em 12/11/2008 14:36:53
Offline
Mel de Carvalho
"No Princípio era o Sol", dia 08 Nov., sábado próximo...
Meus amigos, aproxima-se o dia em que o meu novo livro nascerá. (como anunciado aqui: http://www....
Enviado por Mel de Carvalho
em 03/11/2008 12:32:24
Offline
Mel de Carvalho
ainda me doem os pulmões que não respiram
ainda me doem os pulmões que não respiram em horas mortas a floresta ainda, em disfagia, tento e...
Enviado por Mel de Carvalho
em 22/10/2008 11:09:51
Offline
Mel de Carvalho
de magritte
era magritte a escorrer da tela ali ao lado e o rio limpo do meu corpo em espera o mergulho o...
Enviado por Mel de Carvalho
em 15/10/2008 11:19:08
Offline
Mel de Carvalho
Se do claustro fechado de minhas mãos vazias ...
Se do claustro fechado das minhas mãos vazias brotassem árvores refloridas de espanto; Se, dos ri...
Enviado por Mel de Carvalho
em 13/10/2008 13:47:33
Offline
Mel de Carvalho
finitude
tecias (in)finitos em tuas mãos mas as redes estavam rotas e,para as concertar, apenas agulhas q...
Enviado por Mel de Carvalho
em 10/10/2008 16:16:51
Offline
Mel de Carvalho
"Lulu das Tulipas" e outros galãs ...
A noite já ia alta. Bem comidos e bem regados, reuniam-se agora no átrio principal da pequena ald...
Enviado por Mel de Carvalho
em 05/10/2008 14:30:49
Offline
Mel de Carvalho
repentinamente passam
repentinamente passam as tempestades e os ventos alísios limpos os ventos, nítidos desmaios cir...
Enviado por Mel de Carvalho
em 04/10/2008 21:06:00
Offline
Mel de Carvalho
nó górdio
nó gordio este em que se m’enlaçam punições e emoções leves e livres - penas de asas soltas ...
Enviado por Mel de Carvalho
em 03/10/2008 21:02:16
(1) 2 3 4 ... 32 »