https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Flor, amor, e espinho

 
Esparramei-me ao teu corpo insano,
Como uma semente brotando em terra virgem.
Germinei como a um ramo profano,
Com elementos que se contradizem...

Que por sua vez cresce, tornando flor,
E dela as minhas cores que permutam
Com toda a intensidade de um amor,
De duas almas que por um objetivo lutam...

Lutam, quando esbarram na guerra,
Derramando o sentimento por terra
Quando lhe falta um carinho...

Pois quando lhe fere o espinho,
Que por vezes se esconde na flor,
E esquece sua identidade de amor...

 
Autor
marco_ramos
 
Texto
Data
Leituras
1322
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
1
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 21/08/2007 19:41  Atualizado: 21/08/2007 19:41
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: Flor, amor, e espinho
Envolvente este seu soneto.
Com paixão e sentido.

Se assim for, já nem sinto,
Quando a flor conter espinho.

Beijinhos