Poemas : 

Poema Espasmo

 
Archote descendo o bater das horas na pele
Sangram os lábios da luz num breu
Inferno de sangue boreal
Despes na sombra eco nome meu
Transborda o tempo no corpo, no sal
Esculpe-se feroz o segredo
Alarga-te amante fórmula maior
Cântico de estrelas curvo
Pomar abóbada de céus infindos
Órbita de Vénus giras e queima
Curiosa se deita matriz fora seiva
Leme de toda uno
Vulcões de dedos desafiar
Entre velas de barcos mágicos
Brasa viva poema espasmo
Veias sôfregas rasgando cama e candelabro
Tremes os pilares desses dias sem fim
Majestade flor de orgasmo


«Antes teor que teorema, vê lá se além de poeta és tu poema»

Agostinho da Silva

 
Autor
bruno.filipe
 
Texto
Data
Leituras
755
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.