Poemas : 

Declive

 
O poema tem um declive e não é obra de escravos abnegados
O mundo tem poemas aos milhares, poetas
Violenta a chama os espanca
Todos os poemas têm um declive
Quem deseja a sua noite decliva no grau
O mundo tem poemas aos milhares, poetas e um e um só declive
O mistério é fatal e o romance é casa pura
O enigma da Arte decliva por alguns, herdado ou procurado
Afortunados talvez na diferença do seu poema
O poeta é um filho de mil vidas, tocando o declive sem paz


«Antes teor que teorema, vê lá se além de poeta és tu poema»

Agostinho da Silva

 
Autor
bruno.filipe
 
Texto
Data
Leituras
1029
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 09/07/2016 18:06  Atualizado: 09/07/2016 18:06
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 308
 Re: Declive
Percorro o declive do teu poema e sinto-lhe o grau - não o que vem da noite, mas aquele que vem da imprevisibilidade… da imprevisibilidade que nos declina, fazendo-nos deslizar para o lado e para baixo, afundando-nos no poema.
“O mundo tem poemas aos milhares”, mas nalguns a “violenta chama” tem mais declive, é mais notória, acentuada, evidente.
Afortunado o poeta com poema de tamanho declive, diria.
Afortunado o leitor que o lê, corrigiria
porque é o poeta que, na maior parte das vezes, procura o declive, a “diferença do seu poema”, acentuando-o
assim nos fazendo cair no poema
aos seus pés
nesses versos descalços
desnudados
plenos.