https://www.poetris.com/
 
Textos : 

SECRETOS[ eu escrevo-te Jota]

 


Violeta Mill

A noite escorre sangue e tempo, ardendo em amor ou simplesmente TU [alguém] me queima o corpo...
Um girassol , serve de lareira, à procura de luxúria. Isso eu sei, porque em ti me quero. Aparece a dança, foi à tua dança que eu me perdi, aberta no meio...
Campos silvestres, campos celestes, levantados e loucos na, noite que entretanto, se faz dia. Vociferante, traz a tua cabeça ao cimo dum monte. A tua mão cresce depressa. Posição. Nela cresce a minha, ansiosa pressa, a turbulência íntima que me chama. A unir. O acaso se desmata, onde se enrola a pedra redonda. Em, mim, submissa. Que procura o centro. Meu!...
O ar, se debruça na atmosfera terna, calma, secreta espelha à boca tempo e transforma-se.
Sangue ingénuo sobre as lajes o amor queima. Maldito, que desce para te dar a beber.
Relâmpago!
É preciso ser, Sexo, para entender as palavras em transe, e só aço deve transpirar através delas, infinitamente. Na obscura pele compacta.Exaltadas. Na espuma que pára para me inundar numa torrente inteligente( por aí dentro). Exigente. De, mais. Quente. Faminta. Sobre o cru, vale!...
O nu lugar desaparece. Sei que devo escrever aqui todos os aa do acto, as ferragens da roupa que bate contra o texto, numa escrita em vapores, suores, ecos e pancadas, de um, no outro, no lugar do outro. Nu tesão lacrado.
Em mente a tua zona. A minha boca escuta. As disturções das leituras, do teu rosto rosto limite além das minhas nebelinas, do meu gosto de ser. Expelida nas funduras do precepício ignío. Génio. Mastro!
Agora sei o que quero saber, sei o que os teus dedos violinos dizem, quando falam, quando me tocam nas loucas costas, no meu cabelo em fogo. Olhando-te. Sorvendo-te. Empurrando-te. Num poder difundido. Na obsorção irredutível.
O nosso amor é um caminho de fomes, embrionárias, e todo ele se enrola pelo lado, de, dentro. Todo ele se consome com o que em ti cresce pelo lado de fora. Dentro e fora. O nosso tempo é um relevo alto. Uma escrita louca, enquanto a minha voz abdicar do silêncio para aqui viver, escrever cada frase é um mundo, mudo aos olhos de quem me lê.
Para ti é sangue concentrado numa metáfora, a centelha. Paixão. Equilibrio. Rapto.
Os sonhos são estúdios severos, laços ateados, explelindo palavras, na minha e, na mente de quem em mim se fecha...





 
Autor
Violeta_Mill
 
Texto
Data
Leituras
992
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/02/2011 18:16  Atualizado: 16/02/2011 18:16
 Re: SECRETOS[ eu escrevo-te Jota]
Um texto encantadorm que maravilha deixo meu abraço.

Martisns

Enviado por Tópico
Mariaa
Publicado: 16/02/2011 18:26  Atualizado: 16/02/2011 18:26
Colaborador
Usuário desde: 23/08/2009
Localidade: Braga
Mensagens: 2621
 Re: SECRETOS[ eu escrevo-te Jota]
Um texto em labaredas,
que vou já correr daqui
para não me queimar nelas
e na neve vou fazer esqui!

ADOREI, N BEIJOS E MIL ABRAÇOS
SIDERAIS DA AMIGA AO DISPOR,
Maria«*+*» «*+*»