https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

CÁLAMO

 
Tags:  Labiríntimos  
 
Cala-me a voz a fria ausência
de pena que por mim não se converte
ao risco que me escreve a eloquência
rubra-sangue neste pergaminho inerte.
E o cálamo que me serve de punhal
transfunde-me os fluídos da essência.


Teresa Teixeira


 
Autor
Sterea
Autor
 
Texto
Data
Leituras
593
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
4
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 23/02/2011 20:40  Atualizado: 23/02/2011 20:40
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: CÁLAMO
"de punhal/transfunde me os fluidos da essência"..."cala me"..."escreve a eloquência"..."neste pergaminho inerte"


Excelente...o...seu texto..."Cálamo"..."a fria ausência"

Abraço te

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 23/02/2011 23:49  Atualizado: 23/02/2011 23:49
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6741
 Re: CÁLAMO
Eloquente!Nada mais a dizer!
Bjins, Betha.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 26/02/2011 17:41  Atualizado: 26/02/2011 17:41
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: CÁLAMO
Esse é daqueles de não doer...mas dói tamanha beleza. bjs

Enviado por Tópico
Norberto Lopes
Publicado: 19/03/2011 11:26  Atualizado: 19/03/2011 11:26
Colaborador
Usuário desde: 15/03/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 970
 Re: CÁLAMO
Não me serviu de nada andar distraído...
Igual vim, distraído e permeável, sujeitar-me à natural acção do CÁLAMO-PUNHAL que me atravessa

nl