https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

SETECENTAS LÉGUAS

 
Tags:  vida    viagem  
 


Gê Muniz

SETECENTAS LÉGUAS

Setecentas léguas segui caminho
Corri, parei, andei, voei, rastejei...
Por terra, mata, rocha e imensidão
Faustoso filme de sortidos cenários
De poder, fraqueza, nobreza e miséria
Chuva e corredeira, poeira e barreira
Tortuosidade, feiúra, beleza e exatidão...
Viajei ileso por tantas sonoras doideiras
De algumas mulheres abundadas de paixão...
Chorei por excêntricos gestos desumanos
E ri-me a valer junto a uns poucos homens bons...
Acariciei crianças sujas e medradas
Possuídas pelo terror das coisas da cidade
Como quando um raio risca o céu em descarrego
Vaguei em longas e perdidas noites de escuridão
Deparei com raparigas, donzelas, ditosas e perdidas
Dentro delas, natureza em fúria e humanidade
Inocência, virtude, malandragem e penúria...

Por mais setecentas léguas percorri jornada
De carona, a pé, no lombo da burrada
Luzes em postes, fumaça em asfalto
Casebres de tapera, bonitos edifícios altos
Asseio e sujidade, delícia e podridão
Continuavam, à minha revelia, sucedendo-se
Viagem estranha dentro e fora do coração
Povoados sucumbindo e cidades nascendo
Moleques roubando, trabalhando e estudando
Eles, de destinos traçados, apenas sonhavam...
Dormi em rede. Também em cama e chão
Antes do sono alguns oravam, outros gemiam
Uns em silêncio sofriam, outros só padeciam...
Acordava em dias gelados e mornos, em manhãs candentes
Nuns ajudava, noutros atrapalhava, beijava e brigava
Ilusões companheiras, amadas dedicadas ou ausentes
Trajeto de alegrias e desventuras, prazer e mágoas
Pujança da vida em desgraças afortunadas

Hoje preparo valise, corpo, alma e humor
Para as próximas setecentas léguas
Nunca saberei onde a trilha dá cabo
Nem demarquei seu confuso início...
Pois se esta velha estrada dá voltas
Não reconheço nem o que é recomeço
Pois o tempo sempre adultera a paisagem...
 
Autor
GeMuniz
Autor
 
Texto
Data
Leituras
901
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
8
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2011 19:21  Atualizado: 09/05/2011 19:21
 Re: SETECENTAS LÉGUAS
Que beleza teu " épico" meu amigo...acredito que a circularidade rege a vida, tudo retorna "transformado" pela nossa passagem... nem as coisas e nem nós somos os mesmos... (o rio de Heráclito).

Adorei , parabéns...

BJS


Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 09/05/2011 19:36  Atualizado: 09/05/2011 19:36
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: SETECENTAS LÉGUAS
Um percurso que nos fala da vida das suas vivências
um poema simplesmente fabuloso.
Gostei Gê, muito!
Bj
Vóny Ferreira


Enviado por Tópico
Conceição Bernardino
Publicado: 09/05/2011 19:50  Atualizado: 09/05/2011 19:50
Colaborador
Usuário desde: 22/08/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 3332
 Re: SETECENTAS LÉGUAS
Olá Ge,

A tua poesia é inconfundivel e plena, obrigada pela partilha

beijo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2011 21:40  Atualizado: 09/05/2011 21:40
 Re: SETECENTAS LÉGUAS
Poucos poemas me fazer voltar a ler tudo de novo. Quando isso acontece em mim é pouco houve fascínio na escrita. Este teu poema tem o dom de saber a pouco, tal a beleza da narrativa poetica.

Beijo azul