https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Soneto de Todas as Putas

 
Não lamentes, oh Nise, o teu estado;
Puta tem sido muita gente boa;
Putíssimas fidalgas tem Lisboa,
Milhões de vezes putas têm reinado:

Dido foi puta, e puta d'um soldado;
Cleópatra por puta alcança a c'roa;
Tu, Lucrécia, com toda a tua proa,
O teu cono não passa por honrado:

Essa da Rússia imperatriz famosa,
Que inda há pouco morreu (diz a Gazeta)
Entre mil porras expirou vaidosa:

Todas no mundo dão a sua greta:
Não fiques pois, oh Nise, duvidosa
Que isso de virgo e honra é tudo peta.


Manuel Maria de Barbosa l'Hedois du Bocage
( 15/09/1765 — 21/12/1805)
Autores Clássicos no Luso-Poemas

 
Autor
Bocage
Autor
 
Texto
Data
Leituras
6494
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
karolis.br@sapo.pt
Publicado: 12/11/2011 21:18  Atualizado: 12/11/2011 21:18
Da casa!
Usuário desde: 17/04/2010
Localidade: Cascais. Portugal.
Mensagens: 368
 Re: SONETO DE TODAS AS PUTAS
Não há dúvidas de que estamos perante um Grande Poeta ao lermos um soneto desta categoria.

Deixo aqui um viva ao Grandioso Bocage. VIVA!!


Parabéns ao autor da ideia!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/08/2016 00:40  Atualizado: 04/08/2016 00:40
 Re: Soneto de Todas as Putas
Achava eu que o Soneto mais lindo era o de minha autoria intitulado por, Soneto aos caprichos de uma amiga, agora estou diante dessa formosura de soneto e aplaudo de pé, és o melhor soneto de todos os tempos.