https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Verso, independentemente, meu verso

 
verso meu, que te gosto
filho torto
aleijado

do ventre podre
saiu a fórceps
sem aval dos bacharéis

criado nos becos,
bares, sujos lares
entornos de cabarés
em conversas de fé,
com pessoas sem fé...

sem cabeça, nem pé
chegou a mim,
no triste fim
de berrar, sem falar nada
de raiva!

em labutas, fajutas
sarjetas,
onde a barata tem melhor conduta

teimosamente vivo
em mim, até ti

verso meu, que te mostro
sou teu pai
é meu tudo

verso meu que te entono
no sarau da rua,
fostes mais que filho

foi CURA do abandono


São Ninguém


Serafim de Dias Santos

 
Autor
SerafimdosSantos
 
Texto
Data
Leituras
786
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/01/2013 07:54  Atualizado: 15/01/2013 07:54
 Re: Verso, independentemente, meu verso
Ficou óptimo, Serafim. Abraço luso.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 15/01/2013 10:18  Atualizado: 15/01/2013 10:18
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: Verso, independentemente, meu verso
Palavras encantadoras fromando essa magia de poema, lindo demais