https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Loucura da madrugada

 
Era começo de uma manhã sem sol
Ainda dizia boa noite
Desorientado
Andei até cair no chão
Sede de madrugada
Já silêncio para meus ouvidos
A cabeça rodava
Barba por fazer
Brilho nos olhos vermelhos
Todo o peso de mim
Quase que asfalto a dentro
Quase que estômago a fora
Quase que nem era eu
E posso dizer com certeza
Lembro-me nitidamente
De nada ter visto.


Serafim de Dias Santos

 
Autor
SerafimdosSantos
 
Texto
Data
Leituras
687
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
carolcarolina
Publicado: 09/08/2010 03:17  Atualizado: 09/08/2010 03:17
Colaborador
Usuário desde: 24/01/2010
Localidade: RS/Brasil
Mensagens: 9300
 Re: Loucura da madrugada
Poeta Serafim!

As noites de insônia são inimigas!
Gostei do seu poema!
Abraço!
♫Carol


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 11/08/2010 03:45  Atualizado: 11/08/2010 03:45
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: Loucura da madrugada
Passou de raspão, ficou o cheiro da pólvora inda agora no pensamento. Gostei de te ler. bj

Enviado por Tópico
Inspiração_Estelar
Publicado: 13/08/2010 18:56  Atualizado: 13/08/2010 18:56
Da casa!
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade: Portugal
Mensagens: 330
 Re: Loucura da madrugada
A lembrança de nada ver é uma realidade filosófica... Senão, vejamos: temos olhos, com todas as suas partes constituintes, vemos, porque a informação viaja até ao nosso cérebro. Mas será que vemos mesmo? Conseguimos distinguir formas, cores, materiais, tudo com os olhos, mas, na maioria das vezes, não vemos o que é realmente importante, o que necessita verdadeiramente de ser visto... E é por isso, que a nossa realidade, é, na verdade, distorcida, por uma cegueira difícil de curar.
Gostei muito!

Beijinhos

Inspiração