https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto de uma Hora

 




Olhei para o passar de uma hora
que lenta passava e depressa ia ,
porque a sua pressa, a minha demora
por mais que passasse, não coincidia.

A hora passava lesta na verdade,
tão lesta como lesto é o dia
trambolhava com ira e tal velocidade
que por mais que a olhasse, não a via.

A hora passava a cada ponto de vista,
fosse mais depressa ou mais devagar
consoante a vontade ou o pensamento.

E a hora, quanto demora ou dista?
Tanto quanto uam rabanada de ar
tão lentamente como um doido vento.








O passar de um segundo
O passar de uma hora
O passar de um primeiro (também chamado de caneta preta)


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não r...

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
717
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/12/2007 13:53  Atualizado: 19/12/2007 13:53
 Re: Soneto de uma Hora
O TEMPO ESSE JAMAIS VOLTA ATRÁS, MAS SEU SONETO FEITO NUMA HORA FICOU LINDO MEUS PARABÉNS AMIGO.Open in new window