https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Libertação

 
Agora não preciso lhe desejar boa noite
Não preciso navegar em devaneios
Não preciso mais sonhar contigo.
Não é mais preciso me importar,
Porque nada mais importa.
Só me resta encher-me de comida
Repousar a face no travesseiro
Ter inúmeros e variados pesadelos
E por fim acordar, e ir ao banheiro.

Livrei-me das malditas correntes
Ou pelo menos tento me livrar.
Agora posso ser finalmente livre!
Isso mesmo, poetas, livre!
Não preciso mais continuar vivendo
Essa vida disciplinada pelo amor.
Sou inteiramente livre agora,
Para quem sabe, escolher outra paixão
E novamente sofrer de tanta dor.
Talvez seja uma condição humana
Adoramos a tormenta, rir do escárnio
De nossas próprias dores.

Provavelmente o amor nem se quer exista
Ou talvez ele só exista no plano imaginário
Numa forma idealizada do indivíduo
Onde o real nunca acontece, somente sonhos.
É projetado todas as nossas esperanças
Em algo impossível, inalcançável.
É um sentimento mentiroso, enganador
O mundo é uma eterna quadrilha,
De total desencontro amoroso.
Dizem não ter preço, mas eu discordo!
O amor mais verdadeiro e leal
Não te ilude, vai direto ao que se quer:
E lá se vai todas suas notas de reais.

Uma hora de tudo se cansa,
Pois ninguém é totalmente de ferro.
Cansei de ti, oh amores idealizados!
Tanto amei, sem nunca ter sido amado!
Tantos versos escritos, tantas ilusões.
E no final o que sempre nos resta?
O absolutamente nada, o vazio.
A ausência de qualquer coisa
Uma ausência preenchida
Totalmente de forma paradoxal,
Recheada de total melancolia.
Uma melancolia que tem peso,
Mesmo sem nem se quer existir!
Ela recobre sobre o peito, dói
Exerce sua massa, encolhe, comprime.
Maldita e insuportável dor sublime!

Ora, soltem-se, riam comigo!
Já não é mais preciso me importar,
Por que nada mais importa.
Não preciso seguí-la com meus olhos.
Agora posso ver o que quiser
Viver como quiser, seguir minha rotina.
Não preciso mais observar a lua,
Por que ela nem se quer aparece mais!
Hoje a noite não tem luar, e nunca terá.
Você, a minha Lua terrestre, não mais me fascina
Mas o único problema será lhe encontrar
Naquele maldito e longínquo corredor,
E esta dor do peito, novamente atina.

 
Autor
UsuarioZWT
 
Texto
Data
Leituras
647
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 02/07/2016 13:10  Atualizado: 02/07/2016 13:10
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 277
 Re: Libertação
Quantas contradições coabitam neste sentimento…
E, apesar de já não ser preciso “desejar boa noite”, nem “navegar em devaneios”, nem sentir as “malditas correntes”;
não há maneira de não se terem “inúmeros e variados pesadelos”, nem de não se sentir “a ausência de qualquer coisa”… bem como essa “melancolia que tem peso” e nos “encolhe, comprime”…
Porque, mesmo que seja “algo impossível, inalcançável” onde projectamos “as nossas esperanças” (sempre tão colossais), existindo apenas “no plano imaginário”, é ele que nos faz ver a lua e nos faz importar com algo.
Livre, sim, mas só de uma das correntes (talvez a mais doce)… e mesmo que “Rir do escárnio” seja uma possibilidade será apenas coisa passageira, já que o que parece mais importar é, estranhamente, “escolher outra paixão”….
e ver a lua.